Participe da
Comunidade Ícone Whatsapp
Economia

Pós-Pandemia, faltam pilotos e sobra demanda por voos

A crise de pilotos pode atingir 50 mil profissionais em falta no mundo em 2025.

Um pouso forçado por conta da pandemia de Covid-19 levou as companhias aéreas no Brasil e no mundo a entrarem em um modo de “pânico”.

Por aqui, estima-se que as empresas tenham deixado de faturar R$21,6 bilhões com vendas de passagens, o que levou o setor, que normalmente já opera com margens baixas e competição elevada, a iniciar demissões em massa.

Nos EUA e Europa, as companhias aéreas iniciaram um plano de aposentadoria precoce, levando pilotos mais experientes, com salários maiores, a abandonarem a carreira e a curtir a vida.

Os pilotos que restaram, porém, acabam tendo de enfrentar uma demanda em alta com o mundo tentando curar a ressaca dos tempos de lockdown.

Na volta, boa parte das companhias se viu em meio a uma situação de dívidas com o período parado, menos funcionários e combustíveis em alta, um cenário de terror para as finanças das empresas.

Segundo a IATA, a associação internacional do setor, as companhias aéreas apresentaram um prejuízo de US$149 bilhões em 2020, seguido de perdas de US$42,7 bilhões e US$6,7 bilhões em 2022.

Para 2023, a IATA estima um lucro somado de US$4,7 bilhões para o setor, ou cerca de 1 dólar e 20 centavos de lucro por cada passageiro que deve embarcar em 2023. O número é ainda 80% menor do que o lucro do setor em 2019.

O preço das passagens aéreas por sua vez acaba sendo pressionado, e deve subir ao redor do mundo. 

E ao que tudo indica, as medidas tomadas pelo setor, que envolvem mudanças na legislação, devem demorar a surtir efeito. Nos EUA uma lei prevê aumentar de 65 para 67 a idade de aposentadoria obrigatória de pilotos. Uma pequena mudança que deve ajudar a combater a falta de 8 mil pilotos (cerca de 11% na força de trabalho).

No caso brasileiro, onde formar um piloto custa entre R$110 mil e R$160 mil, um valor considerado baixo para o resto do mundo (Nos EUA o custo médio está em R$460 mil), há ainda a concorrência de companhias globais.

Em uma paralisação na data de hoje, pilotos e comissários no Brasil alegam estar ainda no prejuízo com perdas inflacionárias no período, enquanto as companhias aéreas já voltaram ao lucro com a alta no preço de passagens.

Por aqui, GOL Azul e Latam, que dominam 96% do mercado, tiveram lucro de R$4,5 bilhões no primeiro trimestre (apenas a Latam teve prejuízo), contra um prejuízo de R$6 bilhões no mesmo período de 2021.

Apesar de a demanda ainda estar menor do que em 2019, o CFO da Azul estima que a recuperação no setor possa ocorrer já em 2023. 

Clique aqui e inscreva-se agora em nosso canal do YouTube e fique por dentro das últimas novidades em cripto.

Notícias relacionadas



Brasil quer cobrar direito autoral da Amazon pelo uso do nome Há 10 anos, um universitário recebeu 22 Bitcoins após viralizar na TV Golpistas usam deepfake do Elon Musk para pedir doações em cripto; e conseguiram US$165 mil MPSC Bloqueia R$27,4 Milhões de Empresa Suspeita de Pirâmide Financeira Golpe do namoro falso engana idosos e geram perdas de US$90 milhões em criptomoedas