Participe da
Comunidade Ícone Whatsapp
Economia

Além da Copa, Argentina de 86 e 2022 possui similaridades na Economia

Em comum entre os dois títulos, há uma Argentina às voltas com problemas de inflação elevada e dívida externa.

A revolução iraniana de 1979 representou um período de mudanças drásticas na economia mundial, em especial quando o assunto é energia. 

A alta de preços no barril do petróleo, a despeito de o Irã representar apenas 5% da produção mundial, acabou por levar a uma escassez na maior economia global, os Estados Unidos. Com o petróleo e a gasolina em alta, os EUA acabaram por vivenciar sua maior inflação em 2 séculos de história. Por lá os preços subiram 14% em 1980, forçando uma reação do FED, o banco central americano.

Embarque em mais de 150 horas de conteúdo exclusivo sobre o universo das criptomoedas e blockchain na Plataforma BlockTrends.

Os juros capitaneados por Paul Volcker subiram para 21,5% em Junho de 1981, levando a um desemprego de 11% em 1982. Os juros de hipotecas por sua vez chegaram a 17%.

Não por coincidência, essa década acabou sendo conhecida como a “década perdida” na América Latina. Altamente endividados em dólar, os países latinoamericanos acabaram tendo uma dívida impagável em mãos. 

No Brasil, com uma dívida de 50% do PIB, acabamos recorrendo a uma moratória em 1987. Pela mesma época, a inflação que já estava elevada, atingiu níveis alarmantes. 

Na Argentina, a situação não era diferente. O país, que também estava endividado em dólar, viu a inflação atingir 111% no ano de 1986, quando o país foi para a Copa do Mundo no México. 

Com uma dívida externa similar a brasileira, em torno de 50% do PIB (US$56 bilhões vs US$110 bilhões), a economia local acabou por colapsar. 

A década terminaria com o PIB argentino tendo caído cerca de 0,8% em relação a 1980 e o PIB capita por volta de 20% menor.

Entre as duas copas e os mais de 3 décadas de jejum de títulos, o país passou por altos e baixos. No início dos anos 90, a Argentina teve seu próprio Plano Real, o Plano Cavallo, que tornou o Peso similar ao dólar, valendo 1 pra 1. 

A crise de 2001, porém, levou o país a retroceder décadas. De 2001 para 2002, o PIB argentino caiu de US$268 bilhões para US$97 bilhões, em apenas um ano. O PIB per capita por sua vez desabou de US$7,5 mil para US$2,7 mil.

A década, entretanto, acabaria sendo compensada pelo boom de commodities. Já em 2010, a situação mostrava desgastes. Em 2011 a moeda argentina já era cotada em AR$4 para US$1. 

Nos anos seguintes, a recessão econômica voltou. A Argentina de 2022 está novamente em uma inflação de 98% anualizada, com problemas envolvendo sua dívida externa e negociações com o FMI. 

Não significa, claro, que a inflação elevada ajude o país em copas, afinal, a Argentina de 1990 perdeu a Copa a despeito de uma inflação de 2000% ao ano. 

Pode-se dizer, porém, que o ditado do escritor argentino Martín Caparrós, que dizia “Se você deixar a Argentina e retornar em 20 dias, tudo terá mudado, se retornar em 20 anos, nada terá mudado”, continua mais atual do que nunca.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na melhor corretora de traders de criptomoedas. Acesse ByBit.com

Notícias relacionadas



Pela primeira vez em 15 anos, todos bilionários com menos de 30 anos são herdeiros. E isso é ótimo para o Bitcoin Alguém lembrou de 50 centavos em BTC guardados em 2010. Agora valem US$3,3 milhões Por que o Bitcoin está caindo tanto nesta sexta-feira (12) Quanto valem as criptomoedas de Times Brasileiros Golpe faz investidores perderem R$1,3 milhão em 2 minutos em criptomoeda