Participe da
Comunidade Ícone Whatsapp
Blockchain

É oficial: mais banqueiros foram presos por fraude em cripto do que na crise de 2008

O mais recente deles, Shan Hanes, ex-CEO de um banco em Kansas, enfrenta acusações por supostamente desviar US$ 47,1 milhões em criptomoedas de cerca de 16.000 clientes.

Oficialmente a quantidade de banqueiros presos por fraude em criptomoedas é maior do que a quantidade presa durantre a crise de 2008. Nesse sentido, a contagem de presos por envolvimento com fraudes em criptomoedas são dois grandes casos. Contudo, ainda é maior contra o total de zero durante a crise de 2008.

O mais recente deles, Shan Hanes, ex-CEO de um banco em Kansas, enfrenta acusações por supostamente desviar US$ 47,1 milhões em criptomoedas de cerca de 16.000 clientes. Moradores da pequena cidade de Elkhart, Kansas, estão sofrendo após a descoberta do esquema local. 

Brian Mitchell, um empresário local e cliente do Heartland Tri-State Bank, comparou o esquema a um golpe de “abate de porcos”. Nesse sentido, onde as vítimas foram enganadas para investir somas progressivamente maiores de dinheiro.

O golpe

O caso é particularmente chocante porque Hanes era inicialmente um defensor dos bancos comunitários, tendo testemunhado perante o Congresso sobre sua importância. Apesar das pesadas perdas dos investidores, a aquisição do banco pela Dream First Bank protegeu os depositantes dessa perda.

O esquema supostamente começou com Hanes comprando criptomoedas com seus próprios fundos em 2022. No entanto, no início de 2023, ele foi acusado de desviar dinheiro de uma igreja local e de um clube de investimento antes de roubar no banco.

O papel de Mitchell na exposição do desfalque é significativo. Ele busca justiça e fechamento para a comunidade afetada. Ele acredita que a verdade precisa vir à tona para que Elkhart possa se curar e, pessoalmente, sente que seu amigo Hanes o traiu. Certamente, a maioria, se não todos, em Elkhart compartilha desse sentimento enquanto tentam racionalizar os terríveis desenvolvimentos.

Este caso serve como um aviso sombrio sobre os perigos de alguns golpes de criptomoedas e outros incidentes que estão se tornando comuns na sociedade, como esses esquemas fraudulentos, que deveriam alertar as pessoas ou investidores a procurar meios de comunicação que protejam a privacidade. Isso também é enfatizado pelo efeito catastrófico que esses crimes podem ter e isso é julgamento na vida.

Ex-Deutsche Bank

Em setembro de 2023, Rashawn Russell, ex-banqueiro de investimentos do Deutsche Bank, declarou-se culpado na terça-feira por desviar fundos de investidores que ele atraiu com promessas de altos retornos em negociações de criptomoedas, conforme anunciado pelo Departamento de Justiça dos EUA.

Russel faz parte da lista de banqueiros presos por fraude em cripto, e enfrenta uma pena de até 30 anos de prisão quando for sentenciado. Como parte de seu acordo de confissão, ele terá que pagar mais de US$ 1,5 milhão em restituição.

“Russell aproveitou o interesse dos investidores nos mercados de criptomoedas para perpetrar um esquema de fraude contra clientes que confiaram nele”, disse o procurador dos Estados Unidos, Breon Peace.

Quem é Russel?

De julho de 2018 a novembro de 2021, Russell atuou como banqueiro de investimentos em uma instituição financeira, cujo nome a acusação não revelou. Seu perfil no LinkedIn revela que ele assumiu a posição de analista de banco de investimentos no Deutsche Bank em julho de 2018 e recebeu uma promoção para associado em julho de 2020.

Ele dizia aos investidores em potencial que era um corretor licenciado com experiência em banco de investimentos e que poderia ajudá-los a obter retornos grandes. Além disso, às vezes, garantidos por meio do R3, um fundo de criptomoedas que afirmava administrar.

Os promotores afirmam que Russell transferiu alguns fundos para uma conta de negociação, mas desviou o restante e enviou documentação falsa aos investidores sobre o desempenho de seu dinheiro.

Ele solicitou investimentos de amigos e colegas, mas usou os fundos para jogos de azar e outras despesas pessoais, de acordo com os promotores federais.

Promotores e reguladores dos EUA têm trabalhado para combater fraudes envolvendo ativos digitais, o que resultou em alguns banqueiros como ele presos. Quando Russell foi acusado em abril, o Deutsche Bank declarou que, embora não comentasse sobre processos legais em andamento, “regularmente apoia esforços de aplicação da lei e supervisão regulatória. Incluindo responder e cooperar apropriadamente com investigações e procedimentos autorizados”. O Deutsche Bank não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na melhor corretora de traders de criptomoedas. Acesse ByBit.com

Notícias relacionadas



Bitcoin decola 50% em fevereiro. Ainda vale a pena comprar? BlackRock, maior gestora do mundo, começa a oferecer ETF de Bitcoin na B3 Crise diplomática com Israel impacta FAB, agro e energia no Brasil Aos 85 anos, Abílio Diniz ainda inovava e apostou em cripto Apple bloqueia pornografia em Vision Pro e usuários ficam irritadíssimos