Participe da
Comunidade Ícone Whatsapp
Blockchain

Imposto de até 15% sobre criptomoedas é aprovado pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE)

O projeto, que agora segue para votação no plenário do Senado, visa tributar rendimentos de aplicações financeiras.

A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado Federal aprovou nesta quarta-feira (22) relatório do Senador Alessandro Vieira (MDB-SE) sobre o Projeto de Lei 4173/23. Desse modo, o projeto cria um imposto de 15% para usuários que possuem criptomoedas em corretoras internacionais.

Portanto, o projeto, que agora segue para votação no plenário do Senado, visa tributar rendimentos de aplicações financeiras. Além de lucros e dividendos de entidades controladas no exterior e trusts. A tributação e imposto de até 15% se aplicará a usuários com criptomoedas avaliadas em mais de R$ 6 mil em empresas estrangeiras.

Faça parte da Comunidade BLOCKTRENDS PRO e lucre em cripto com relatórios semanais, análises diárias, sinais e lives exclusivas.

O projeto, originalmente proposto pelo poder executivo, já passou pela Câmara dos Deputados com algumas modificações, incluindo seis emendas acolhidas pelo relator. No entanto, nenhuma dessas emendas aborda o mercado de criptoativos, mantendo a redação original sobre as criptomoedas.

O texto aprovado estima uma arrecadação potencial de R$ 7,05 bilhões em 2024, cerca de R$ 6,75 bilhões em 2025 e R$ 7,13 bilhões para 2026. A nova regra aplicar-se-á aos resultados apurados pelas entidades controladas a partir de 1º de janeiro de 2024. Os resultados acumulados no exterior até 31 de dezembro de 2023 serão tributados somente no momento da efetiva disponibilização para a pessoa física.

Tributaristas criticam PL

O BlockTrends já havia ouvido tributaristas que criticaram o PL anteriormente. Para Thiago Barbosa Wanderley, advogado e doutorando em tributação de criptomoedas pela USP, existem inúmeras razões pelas quais os criptoativos (denominados no PL sob a nomenclatura de Ativos Virtuais) não devem ser submetidos à tributação.

“O principal deles se deve ao fato de que os ‘Ativos Virtuais’ compreendem uma gama de ativos dos mais variados tipos, sendo inviável admitir a incidência de tributação uniforme sobre ativos que possuem características e naturezas jurídicas notadamente diferentes”, diz.

Além disso, sobre a versão do PL 4173/2023, aprovada ontem pela Câmara dos Deputados, dois pontos chamam a atenção do advogado. O primeiro deles é a redução da alíquota aplicável ao rendimento oriundo do exterior.

“Enquanto na versão original a alíquota era de 15% para os rendimentos anuais entre 6k e 50k, e de 22,5% para a parcela excedente a 50k, na versão aprovada (PRLE nº2) esta alíquota restou padronizada em 15% (conforme art. 2º, §1º)”, explica.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na melhor corretora de traders de criptomoedas. Acesse ByBit.com

Notícias relacionadas



Mt. Gox diz que vai pagar US$ 8 bilhões aos credores semana que vem Ancord e BlockTrends lançam primeira Certificação em Criptoativos do Mercado Financeiro e de Capitais Donald Trump Agora Possui US$ 30 Milhões em Memecoins DOG é listada na Bybit e atinge máxima histórica pelo segundo dia consecutivo DOG, memecoin no Bitcoin, atinge nova máxima histórica