Participe da
Comunidade Ícone Whatsapp
Notícias

Governo pode ‘taxar influencers’ em PL da Netflix

A PL da Netflix também estabelece que as empresas de streaming devem destinar 5% de seu faturamento bruto para produções “independentes”.

O Projeto de Lei (PL) 8889/17, ou “PL da Netflix”, está em pauta no Senado e pode ser votado ainda nesta semana, senão em breve. O projeto de Lei busca regulamentar os “streamings”, como Netflix, e pode ser impactante para o setor de conteúdo audiovisual. Além disso, pode afetar a renda dos criadores de conteúdo em redes sociais, impondo a eles uma “taxa” do governo.

Nesse sentido, o PL busca fazer que o governo defina e regulamente o fornecimento de conteúdo audiovisual por demanda. Desse modo, afetando empresas que operam plataformas de streaming e distribuição de conteúdo digital.

Embarque em mais de 150 horas de conteúdo exclusivo sobre o universo das criptomoedas e blockchain na Plataforma BlockTrends.

A proposta foi protocolada em 2017 pelo deputado Paulo Teixeira (PT-SP), atual ministro do Desenvolvimento Agrário no governo. Em agosto deste ano, a Câmara dos Deputados aprovou o regime de urgência com 291 votos a favor e 106 contra.

O projeto impõe obrigações específicas às provedoras de conteúdo audiovisual, como a necessidade de incluir um percentual de conteúdo nacional em seus catálogos. Além de assegurar visibilidade para produções brasileiras.

A PL da Netflix também estabelece que as empresas de streaming devem destinar 5% de seu faturamento bruto para produções “independentes”. Adicionalmente, a versão mais recente do relatório sugere a alocação de 10% do total destinado a obras nacionais. Assim, equivalendo a 1% do faturamento bruto, para “produtoras identitárias”. Estas produtoras são aquelas com no mínimo 51% do capital controlado por “grupos incentivados”.

Onde entra a taxação dos influencers?

O projeto prevê penalidades para as empresas que não cumprirem as obrigações estabelecidas, incluindo multas e possibilidade de suspensão do credenciamento. Entre as plataformas, estão o YouTube, Meta, TikTok e outros.

Embora o projeto não mencione diretamente sistemas de publicidade como o AdSense, as mudanças regulatórias podem influenciar a estratégia de conteúdo das plataformas. E, por consequência, afetar a monetização para criadores de conteúdo.

Em outras palavras, ao pagarem 4% do faturamento bruto, é provável que as empresas precisem repassar o custo, e repensar a estratégia de AdSense, ou monetização para seus criadores.

Portanto, o programa AdSense da Google, que habilita os criadores de conteúdo a ganhar dinheiro com publicidade em seus sites ou vídeos do YouTube, pode sofrer influências indiretas devido a alterações nas regulamentações. Se o PL 8889 levar a mudanças significativas no tipo de conteúdo que é promovido ou monetizado nas plataformas, isso poderia afetar as receitas de AdSense.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na melhor corretora de traders de criptomoedas. Acesse ByBit.com

Notícias relacionadas



Pela primeira vez em 15 anos, todos bilionários com menos de 30 anos são herdeiros. E isso é ótimo para o Bitcoin Alguém lembrou de 50 centavos em BTC guardados em 2010. Agora valem US$3,3 milhões Por que o Bitcoin está caindo tanto nesta sexta-feira (12) Quanto valem as criptomoedas de Times Brasileiros Golpe faz investidores perderem R$1,3 milhão em 2 minutos em criptomoeda