Participe da
Comunidade Ícone Whatsapp
Economia

Do Macro ao Cripto: precatórios, SEC e China

Confira as notícias do mundo. Respectivamente, Brasil, China e EUA.

Nesta semana, os maiores acontecimentos macroeconômicos do mundo podem ser definidos em palavras: precatórios, Evergrande e SEC. Respectivamente, Brasil, China e EUA. Confira:

O Banco Central do Brasil revisou para cima a projeção para o crescimento econômico do país este ano. A estimativa para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) sofreu um ajuste de 2% para 2,9%, principalmente devido ao surpreendente crescimento no segundo trimestre. O Banco Central divulgou essas informações no Relatório de Inflação, sua publicação trimestral, nesta quinta-feira (28).

O BC também apresentou previsões “um pouco mais otimistas” para o desenvolvimento da indústria, serviços e consumo das famílias no segundo semestre de 2023. Segundo Ceron, 2023 é o ano mais propício economicamente para solucionar o pagamento do estoque de precatórios, dívidas do Poder Executivo que não são mais contestáveis.

Precatórios

Além disso, o Ministério da Fazenda busca eliminar o limite para o pagamento dessas pendências financeiras, classificando-as como despesas financeiras, que não estão sujeitas a regras fiscais. A Emenda Constitucional dos Precatórios de 2021 estabeleceu um teto anual para o pagamento dessas dívidas, deixando o excedente para os anos subsequentes.

A economia norte-americana manteve um crescimento estável no segundo trimestre, conforme confirmado pelo governo nesta quinta-feira. Nesse sentido, o PIB aumentou a uma taxa anualizada inalterada de 2,1% no último trimestre, conforme informado pelo Departamento de Comércio em sua terceira estimativa do PIB para o período de abril a junho.

China

Ademais, na China, o país enfrenta desafios significativos, principalmente no setor imobiliário, com um possível default da Evergrande, a maior construtora do país. Na segunda-feira (25), a empresa anunciou que sua subsidiária, Hengda Real Estate Group Co., não efetuou o pagamento de 4 bilhões de yuans (US$ 547 milhões) do principal mais os juros devidos relacionados a um título emitido.

Agravando a situação, no domingo (24), a Evergrande revelou que a Hengda Real Estate está sob investigação por possíveis violações das regras de divulgação de informações. Desse modo, ficando assim proibida de emitir novos títulos.

O documento acusa a subsidiária de informação privilegiada e aconselha os acionistas e possíveis investidores a exercerem cautela ao negociar os valores mobiliários da empresa.

Em audiência na Câmara dos Estados Unidos desta quarta-feira (27), Gary Gensler, presidente da Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC), enfrentou perguntas e críticas sobre sua abordagem para a regulamentação das criptomoedas. Contudo, não é a primeira vez que uma audiência do gênero ocorre, ou que essas críticas são levantadas.

Desse modo, Gensler foi questionado sobre vários tópicos, incluindo se o bitcoin é um título e se um cartão Pokémon poderia ser considerado um título. Esse último tópico viralizou na internet entre a comunidade de criptomoedas. O representante de Nova York, Ritchie Torres, questionou Gensler sobre a classificação de um valor mobiliário, usando um cartão Pokémon como exemplo.

Clique aqui e inscreva-se agora em nosso canal do YouTube e fique por dentro das últimas novidades em cripto.

Notícias relacionadas



Warren Buffett sorteia Bitcoin no TikTok, mas óbvio que é golpe com DeepFake Brasil quer cobrar direito autoral da Amazon pelo uso do nome Há 10 anos, um universitário recebeu 22 Bitcoins após viralizar na TV Golpistas usam deepfake do Elon Musk para pedir doações em cripto; e conseguiram US$165 mil MPSC Bloqueia R$27,4 Milhões de Empresa Suspeita de Pirâmide Financeira