Participe da
Comunidade Ícone Whatsapp
Investimentos

Porque o dólar voltou a ser cotado abaixo dos R$5

A moeda norte-americana têm perdido força contra os pares internacionais e voltou a ser negociada abaixo de R$5 pela primeira vez em 2 meses.

Criado em 1973, o DXY é mais conhecido como o “índice do dólar”, comparando a moeda norte-americana com uma cesta de outras moedas, incluindo o Iene japonês, a libra esterlina do Reino Unido, o Euro, a coroa sueca e o franco suiço. 

O índice mede a força do dólar em relação às moedas que compõem tal cesta. 

Embarque em mais de 150 horas de conteúdo exclusivo sobre o universo das criptomoedas e blockchain na Plataforma BlockTrends.

Este índice varia em torno de 100, um estágio que indica a neutralidade entre as moedas. Acima de 100, o entendimento é de que o dólar está mais forte do outras moedas, já abaixo de 100, ele está desvalorizado.

Ao longo dos últimos 50 anos, o índice variou em função de políticas adotadas pelos EUA, além de choques externos. No ano de 1979, com o segundo choque do petróleo, o índice desabou ao nível de 85,18%, um dos menores desde o início da série histórica.

Já em 17 de março de 2008, enquanto o país enfrentava a recessão (que se ampliaria com a quebra do Lehman Brothers), o índice viu seu menor valor na história: 71,3. Neste período, o euro chegou a ser negociado em US$1,43.

O índice voltaria a superar os 100 em 2016, quando o Brexit gerou desconfiança sobre a Europa. Desde então, foram raros os momentos onde o dólar esteve fortalecido.

A tendência de queda estava sendo registrada até a pandemia, sendo ignorada desde então por conta dos juros europeus, extremamente baixos (menores do que a inflação).

De lá pra cá, o índice varia em função de elevações de juros nos EUA, o que leva investidores a aplicarem seus recursos no país, além de desconfiança sobre projetos que possam ampliar o déficit nas contas públicas dos EUA.

O Brasil, como se vê, não é uma ilha, seguindo a tendência.

Nos últimos meses, o dólar tem sofrido em função de uma expectativa de recessão nos EUA, além de uma crise em bancos regionais. 

O Real, claro, acaba indo a reboque. Desde o dia 2 de novembro, logo após a eleição brasileira, o DXY recuou de 111,2 para os atuais 102,2. 

Os déficits expressivos enfrentados pelo governo americano se vêem agora diante de uma taxa de juros cada vez maior, o que pode ampliar ainda mais a dívida pública do país, hoje em 123% do PIB.

De fatores locais, é possível que uma retomada de exportações de carne, além de acordos comerciais com a China, colabore para um fluxo maior de dólares entrando no Brasil, o que por sua vez forçaria uma queda da moeda norte-americana.

Outros fatores também relevantes são a expectativa de que o novo arcabouço fiscal seja ainda mais rigoroso do que apresentado inicialmente, melhorando a situação fiscal do país e permitindo uma queda nos juros.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na melhor corretora de traders de criptomoedas. Acesse ByBit.com

Notícias relacionadas



Zicou? Faria Lima terá estátua em homenagem a Satoshi Nakamoto Pós-Halving, comprar um pão em Bitcoin custa R$660? Pela primeira vez em 15 anos, todos bilionários com menos de 30 anos são herdeiros. E isso é ótimo para o Bitcoin Alguém lembrou de 50 centavos em BTC guardados em 2010. Agora valem US$3,3 milhões Por que o Bitcoin está caindo tanto nesta sexta-feira (12)