Participe da
Comunidade Ícone Whatsapp
Blockchain

Governo quer usar blockchain para combater poluição nos rios

Agência reguladora do governo federal lançou edital para premiar ideias inovadoras envolvendo saneamento, incluindo blockchain.

O governo federal, por meio da Agência Nacional de Águas (ANA), lançou um edital nesta semana com o objetivo de incentivar ideias que envolvam blockchain para reduzir a quantidade de plástico nos rios brasileiros. O edital, chamado “Saneamento do Futuro”, prevê uma premiação de R$990 mil e está sob a responsabilidade do Ministério do Meio Ambiente, comandado por Marina Silva. O objetivo é integrar o uso de tecnologias para combater a poluição e melhorar o setor.

O acúmulo de lixo nos rios e oceanos se tornou um problema global, estimando-se que atualmente existam 296 mil toneladas de plástico, o equivalente a 5,7 trilhões de peças, nos mares. Na região do Atlântico Sul, essa quantidade de lixo chega a 29 mil toneladas.

Entre na comunidade BLOCKTRENDS PRO com 15% OFF e receba +20 cursos, análises diárias, relatórios semanais, lives e mais.

Embora sete dos dez rios mais poluídos do mundo estejam na Ásia, o Brasil também enfrenta esse problema. Diante disso, além de premiar iniciativas relacionadas à blockchain, a entidade também reconhecerá projetos voltados para Big Data, Inteligência Artificial e outras tecnologias.

O Edital 5/2023 aponta os detalhes para envios de propostas.

Blockchain e reciclagem

Durante uma entrevista ao BlockTrends, o CEO da startup H3aven mencionou diversas iniciativas que poderiam agregar a tecnologia e reduzir o impacto ambiental.

Antônio Hoffert ressaltou a preocupação de que o plástico é um material que pode levar até 1000 anos para se degradar. Nesse sentido, algumas soluções para evitar que o plástico acabe nos rios ou oceanos podem servir de inspiração. O executivo destacou casos de uso na Alemanha.

Na Alemanha, a reciclagem é uma prática “voluntária”, acompanhada de recompensas financeiras. Primeiramente, o país possui máquinas distribuídas por todo o território, que permitem aos cidadãos depositar plásticos e outros materiais e receber dinheiro em troca. Como consequência, a reciclagem se torna não um custo, mas um ganho. Nesse sentido, muda-se a equação de incentivos, o que colabora para solução do problema.

Hoffert destacou que a blockchain poderia agregar confiabilidade a esse processo. Através da blockchain, seria possível registrar toda a produção de plásticos. Com o uso dessa tecnologia, seria possível premiar aqueles que reciclam o lixo. Além disso, também seria possível identificar os custos das empresas que geram dejetos ambientais.

Blockchain e ESG

Grandes empresas, como a JBS, têm utilizado a confiabilidade e imutabilidade dos dados gravados na blockchain. Em suma, a JBS espera tornar mais fácil a identificação de desmatamento ao longo da sua cadeia de produção.

Com isso, a JBS espera zerar o desmatamento ocorrido em sua cadeia de produção e fornecedores.

A expectativa é de que este feito seja atingido em 2025. A tecnologia foi incorporada em 2021.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na melhor corretora de traders de criptomoedas. Acesse ByBit.com

Notícias relacionadas



Trader faz US$ 6.500 virar US$ 5,6 milhões com criptomoedas meme do Trump após ele falar bem do mercado “O único defensor do livre mercado no mundo é bizarramente da Argentina”, diz ex-gestor de George Soros Instituto mobiliza BTG e Starlink, de Musk, para garantir internet em meio a enchentes no RS Bybit começa a oferecer renda passiva em dólar descentralizado Baleia de Bitcoin acorda após 10 anos e move US$43,9 milhões que comprou por US$2 dólares