Artigo

Imagem: Gage Skidmore

Estúdio de Pulp Fiction processa Tarantino por lançar NFTs do filme


Por Felippe Hermes
novembro 18, 2021

[post-views]

Tendo concorrido 24 vezes ao Oscar por meio de seus filmes, Tarantino se tornou um dos diretores mais conhecidos e aclamados de Hollywood. Agora o diretor quer entrar também em um novo mercado: as NFTs

Duas vezes ganhador do Oscar, Tarantino se tornou um dos mais renomados diretores de Hollywood, e Pulp Fiction, filme que dirigiu em 1994, uma das principais obras do seu “universo”.

Agora, quase 3 décadas após o lançamento, Tarantino decidiu lançar 7 cenas inéditas do filme, que conta com John Travolta e Samuel L. Jackson.

As cenas, ainda não reveladas, devem estar disponíveis em formato de “NFTs”, ou em resumo, terão a sua propriedade Intelectual atestada por meio de uma rede blockchain.

A ideia do diretor é que por meio das NFTs, um mercado que movimentou $10 bilhões no terceiro trimestre de 2021, possa levar as cenas a leilão.

Com 96% de aprovação no site especializado Rotten Tomatoes, Pulp Fiction é um dos filmes mais aclamados pelo público nas últimas décadas, e justamente por isso deve aumentar o interesse pelas NFTs.

O problema, segundo a Miramax, estúdio responsável pelo filme, está nos direitos autorais da peça original, que Tarantino cedeu para o estúdio em 1993.

Segundo os advogados de Quentin Tarantino entretanto, os direitos da Miramax não foram infringidos, uma vez que as NFTs se baseiam em “direitos parciais” do diretor, como os direitos sobre o roteiro.

A ideia, segundo o próprio diretor, é lançar versões digitais do manuscrito original do filme, além de algumas cenas não lançadas. Tarantino ganhou o Oscar de melhor roteiro pelo filme.

A venda de cenas e outros itens incomuns passíveis de coleção tem se tornado um novo mercado para diversos setores ligados ao entretenimento.

Neste ano, a NBA por exemplo faturou cerca de $620 milhões com a venda de lances dos jogos da liga.

A plataforma responsável por negociar os lances recebeu recentemente um investimento que a avaliou em $7 bilhões.

São cifras bilionárias que se espera atinjam $240 bilhões em 2030, segundo o Morgan Stanley projeta.

Uma das possibilidades levantadas está justamente na interação com as obras por meio do “Metaverso”. Em breve, será possível interagir com as obras por meio de realidade virtual e realidade aumentada. Na prática, pode ser que em breve você esteja em cena de Pulp Fiction.

cool good eh love2 cute confused notgood numb disgusting fail
Até o Fiat Marea valorizou mais que o Ibovespa 5 mitos do governo Lula que você sempre acreditou O quanto os primeiros investidores do Nubank lucraram As 5 NFTs mais bizarras já vendidas Petrobras vende refinaria e acaba com monopólio de 69 anos