Participe da
Comunidade Ícone Whatsapp
Economia

Como a França manteve 14 países africanos sob seu domínio no século 21

Entre 1945 e 2018, a França foi responsável por cunhar a moeda de 14 nações africanas, além de determinar sua política monetária.

Dona do segundo maior império colonial do planeta, com uma área total que chegava a 13 milhões de km² e por onde viviam cerca de 150 milhões de pessoas (8% da população mundial em 1920), a França manteve determinados laços com suas ex-colônias.

A despeito da independência de boa parte dos países, em especial na África, o governo francês foi responsável por emitir o Franco CFA, uma moeda criada em 1945, após o final da segunda guerra, e que garantia a França certa blindagem comercial em suas possessões. 

Embarque em mais de 150 horas de conteúdo exclusivo sobre o universo das criptomoedas e blockchain na Plataforma BlockTrends.

O Franco CFA, uma moeda de valor fixo com o Franco francês, perdurou mesmo após a adoção do Euro pela França no final dos anos 90. 

Além de ser responsável pela política monetária das ex-colônias, a moeda francesa na África exigia que os países da região mantivesse metade de suas reservas no Banco Central francês, um domínio considerado humilhante por governantes locais.

A diferença de produtividade entre os dois países tendia a favorecer a França nessa relação comercial, além de tornar o Franco demandando mesmo com o dólar sendo adotado como moeda global.

A França, que liderou a revolta contra o padrão dólar-ouro, manteve o domínio monetário entre 1945 e 2018, quando o presidente francês Emmanuel Macron e os presidentes de 8 dos 14 países que adotaram o Franco CFA, concordaram em uma mudança no padrão monetário para o “eco”, a nova moeda.

O caso reflete o fim parcial de mais de 7 décadas de golpes de estado financiadas pela França contra presidentes que buscavam independência também com relação à política monetária. 

De fato, entre 1965 e 2015, cerca de 67 golpes de estado ocorreram em 26 nações africanas, das quais 16 eram ex-colônias francesas.

Os casos incluem um golpe em 1 de janeiro de 1966, contra David Dacko, presidente da República Central Africana, outro em 3 de janeiro do mesmo ano contra Aboubacar Sangoulé Lamizana,  presidente de Burkina Faso.

Ambos os presidentes articularam a criação de uma moeda independente e foram assassinados por militares relacionados às forças armadas francesas.

Poucos anos antes, em 1958, François Miterrand definiria a política francesa em relação com a frase “sem suas colônias, não há espaço para a França no século 21”.

Mais de 6 décadas depois, em 2008, Jaques Chirrac, presente francês, mencionaria a frase ao lembrar que “sem a África a França tende a rumar para um país de terceiro mundo”.

O domínio monetário francês ainda ocorre de maneira indireta, com a nova moeda tendo o Euro com paridade fixa.

O caso ainda implica que boa parte das nações africanas não possuem independência sobre sua própria moeda, que por vezes acaba sobrevalorizada em função de políticas adotadas em Bruxelas, a sede da União Europeia.

Sem uma moeda própria, os países mantém-se reféns no jogo do comércio internacional. 

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na melhor corretora de traders de criptomoedas. Acesse ByBit.com

Notícias relacionadas



Ex-CEO da Binance pode ser condenado a 3 anos de prisão (não 4), e pede desculpas Satoshi Nakamoto, criador do Bitcoin, desapareceu há exatos 13 anos Google é forçado a desincentivar novos candidatos políticos Magic Eden adiciona suporte para Runes do Bitcoin Dona da CazéTV agora pertence à XP Inc e vai expandir globalmente