Participe da
Comunidade Ícone Whatsapp
Notícias

Bradesco é o segundo maior financiador de empresas envolvidas em desmatamento, segundo ONG

O banco privado está atrás apenas do Banco do Brasil no ranking elaborado pela ONG Forest & Finance

Direto do app do banco, o Bradesco decidiu dar a seus clientes a opção de calcular o seu impacto ambiental e contribuição para emissões de carbono.

Como parte da proposta, o banco promoveu um vídeo onde 3 jovens dão “dicas” para reduzir sua pegada de carbono, entre elas, a adoção de um movimento chamado “segunda sem carne”.

Embarque em mais de 150 horas de conteúdo exclusivo sobre o universo das criptomoedas e blockchain na Plataforma BlockTrends.

O movimento não é novo, muito menos se iniciou no Brasil. A ideia é reduzir ao menos parte das emissões vindas da agropecuária.

Segundo dados da ONG Observatório do Clima, a pecuária foi responsável por 75% das emissões de gás carbônico vindas do Brasil. Um número impressionante, mas que esconde outras também relevantes.

Em 2019, cada brasileiro emitiu em média 2,11 toneladas de CO², menos da metade da média global de 4,39 toneladas. Ou ainda, ⅓ das 7,58 toneladas emitidas por cada habitante da China, ou 1/7 das 15,5 toneladas emitidas por americanos.

Em boa medida, as emissões vindas no Brasil são reduzidas graças a uma das matrizes energéticas mais limpas do planeta, além da adoção de combustíveis como Etanol.

Um estudo recente demonstra que um carro movido a Etanol no Brasil, é menos poluente do que um carro elétrico na Europa, graças a matriz energética poluente do velho continente.

Em outro dado relevante, a Cosan, maior produtora brasileira de etanol, estima em 7,5 milhões de toneladas por ano que deixam de ser emitidas apenas pela produção de etanol da empresa. Um número superior as 5 milhões de toneladas economizadas pela Tesla nos últimos 10 anos.

Ainda assim, o desmatamento no país preocupa, e ações de combate possuem amplo espaço para melhorar a já positiva contribuição brasileira para a redução das mudanças climáticas.

Em 2020, os maiores bancos do país lançaram um movimento para zerar financiamento de empresas que possuem ligações com desmatamento, como frigoríficos e fazendas.

A medida força uma readequação das empresas.

JBS e Marfrig, as campeãs nacionais em produção de proteína animal, possuem compromissos de zerar o desmatamento de seus fornecedores entre 2025 e 2030.

Um estudo da ONG Forest & Finance, porém, aponta que entre 2016 e abril de 2020, os bancos brasileiros concederam R$255 bilhões em crédito para empresas do setor.

O campeão na lista é o Banco do Brasil, com R$156 bilhões em financiamentos, seguido pelo Bradesco, com R$39 Bilhões.

O estudo da F&F aponta ainda que cerca de R$59,5 bilhões foram destinados a produção de carne na Amazônia.

Do valor total, cerca de 10%, ou R$25,5 bilhões, foram destinados à JBS, a primeira na lista em exposição ao desmatamento, com a participação do BNDES na empresa representando ao menos metade deste valor.

Ainda segundo a ONG, a concessão de crédito no período sofreu um aumento de 40%, com pouco ou nenhum avanço em relação a dissociar bons produtores de desmatadores.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na melhor corretora de traders de criptomoedas. Acesse ByBit.com



Zicou? Faria Lima terá estátua em homenagem a Satoshi Nakamoto Pós-Halving, comprar um pão em Bitcoin custa R$660? Pela primeira vez em 15 anos, todos bilionários com menos de 30 anos são herdeiros. E isso é ótimo para o Bitcoin Alguém lembrou de 50 centavos em BTC guardados em 2010. Agora valem US$3,3 milhões Por que o Bitcoin está caindo tanto nesta sexta-feira (12)