Participe da
Comunidade Ícone Whatsapp
Blockchain

Bitcoin vai desabar para US$42 mil, diz JPMorgan

Nikolaos Panigirtzoglou, liderando a equipe de analistas do JPMorgan, enfatiza que a estimativa de US$ 42.000 não é apenas um cenário hipotético.

O JPMorgan lançou um relatório prevendo que o preço do Bitcoin (BTC) pode cair de preço para US$ 42 mil. O evento, segundo o banco, aconteceria após o halving programado para abril deste ano. Segundo o banco, a “euforia” em torno do evento pode se dissipar.

O relatório de pesquisa do JPMorgan ressalta a correlação histórica entre o custo de produção do Bitcoin e seu valor de mercado. Nesse sentido, o custo de produção atual, que gira em torno de US$ 26.500, deverá dobrar para aproximadamente US$ 53.000 após o halving.

Embarque em mais de 150 horas de conteúdo exclusivo sobre o universo das criptomoedas e blockchain na Plataforma BlockTrends.

Portanto, este aumento significativo nos custos de produção, poderia potencialmente reduzir os preços para US$ 42.000. Além disso, outro agravente, segundo o JPMorgan, é uma redução potencial de 20% na taxa de hash do Bitcoin

JPMorgan está bearish no Bitcoin

Nikolaos Panigirtzoglou, liderando a equipe de analistas do JPMorgan, enfatiza que a estimativa de US$ 42.000 não é apenas um cenário hipotético. Mas um nível realista em direção ao qual os preços do Bitcoin poderiam retornar assim que a euforia em torno do halving se dissipar após abril.

Os analistas do banco explicam que o halving tradicionalmente diminui a “recompensa” recebida pelos mineradores de criptomoedas por cada bloco criado. Assim, a recompensa que atualmente é de 6,25 unidades do ativo, reduzirá para 3,125 unidades. Isso deve reduzir a lucratividade da mineração.

“Esperamos que o preço do Bitcoin se aproxime deste nível de US$ 42 mil quando a euforia induzida pelo halving diminuir após abril”, indica o relatório, sugerindo uma queda em relação ao preço atual, que está acima de US$ 60 mil.

O banco também prevê uma maior concentração na indústria de mineração de criptomoedas, favorecendo operações com custos de eletricidade abaixo da média e equipamentos mais eficientes, que seriam os principais “sobreviventes” pós-halving.

“Pode haver também alguma integração horizontal por meio de fusões e aquisições entre mineradores de Bitcoin em todas as regiões para aproveitar as sinergias em seus negócios”, acrescentam os analistas.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na melhor corretora de traders de criptomoedas. Acesse ByBit.com

Notícias relacionadas



Pela primeira vez em 15 anos, todos bilionários com menos de 30 anos são herdeiros. E isso é ótimo para o Bitcoin Alguém lembrou de 50 centavos em BTC guardados em 2010. Agora valem US$3,3 milhões Por que o Bitcoin está caindo tanto nesta sexta-feira (12) Quanto valem as criptomoedas de Times Brasileiros Golpe faz investidores perderem R$1,3 milhão em 2 minutos em criptomoeda