Participe da
Comunidade Ícone Whatsapp
Blockchain

O que Fernando Haddad não entendeu sobre Bitcoin e El Salvador.

Ao contrário do que supõe Fernando Haddad, só o Bitcoin pode trazer soberania monetária para a América Latina.

A julgar por seu comentário nas redes sociais, Fernando Haddad não gostou quando El Salvador adotou o Bitcoin como moeda oficial em setembro de 2021:

“Se nada for feito, os países da América Latina perderão um a um a soberania sobre suas moedas. Os EUA desejam um euro sem EU [União Européia], isto é, uma AL [América Latina] dolarizada com um muro nos separando do norte. O pior cenário. Só um Brasil insubmisso pode refrear essa tendência.”

Faça parte da Comunidade BLOCKTRENDS PRO e lucre em cripto com relatórios semanais, análises diárias, sinais e lives exclusivas.

O que Haddad escreveu é curioso por vários motivos. Ele parece lamentar quando país perde “a soberania sobre suas moedas”, mas El Salvador, antes de adotar o Bitcoin, já tinha perdido a soberania monetária quando adotou o dólar americano há mais de uma década, em 2001, depois que a própria moeda salvadorenha colapsou por causa da inflação.

Em 2021, foi o oposto. Quando os salvadorenhos optaram por usar o Bitcoin e não o dólar como moeda, recuperaram a soberania monetária e não abdicaram dela. Eles adotam uma moeda forte, neutra, descentralizada e global que não precisa de um terceiro intermediário para guardar ou trocar. Uma moeda baseada não em dívida, mas sim em um protocolo open source cuja emissão é controlada e auditável por qualquer um. Quando qualquer pessoa adota o Bitcoin ela opta por não ficar mais submissa à política monetária do banco central norte-americano, o FED, nem de qualquer outro banco central do mundo. Se alguém acredita que é importante que as pessoas tenham soberania sobre sua própria moeda, deveria celebrar o uso do Bitcoin e não lamentar.

Haddad já não sabia que a economia salvadorenha era dolarizada? Ou simplesmente usou El Salvador como pretexto para falar que os Estados Unidos teria algum plano secreto para dolarizar a América Latina inteira e que só “um Brasil insubmisso” pode refrear esta tendência?

Este comentário paradoxal só começa a fazer sentido se compreendermos o maior projeto político que ele guarda debaixo da manga. No começo deste ano, Fernando Haddad e Gabriel Galípolo, que será seu secretário-executivo no Ministério da Economia, publicaram um artigo na Folha de São Paulo defendendo a criação de uma moeda digital única latino-americana chamada SUR, que seria emitida por um Banco Central Sul-Americano.

De acordo com o projeto da dupla, este novo banco central seria fundado com recursos advindos das próprias reservas internacionais dos países membros e/ou “com uma taxa sobre as exportações dos países para fora da região”. As diferenças econômicas entre os países sul-americanos não seriam um problema, pois além de um novo banco central, também seria fundada outra entidade, uma câmara de compensação para realizar “ajustes simétricos entre países superavitários e deficitários”. Se a moeda se enfraquecer demais e não prosperar, também não haveria nenhum problema, pois eles propõem “mecanismos e taxas para desincentivar” ataques especulativos à moeda, sem especificar como essas taxas e mecanismos funcionariam. 

Teoricamente o novo SUR digital serviria para ampliar a soberania monetária dos países sul-americanos que estariam sofrendo com a ameaça iminente de serem dolarizados. Mas esse certamente não é o problema da América do Sul, uma região fértil de inflação alta, episódios de hiperinflação e irresponsabilidade fiscal generalizada.

A recente desvalorização do Euro também nos mostra como é frágil um bloco econômico com uma moeda única mas com regimes fiscais diferentes. Na prática, para o Euro continuar existindo, o Banco Central Europeu precisa constantemente comprar títulos de países deficitários como Itália, Portugal e Espanha, enfraquecendo a moeda do bloco inteiro. Quando pensamos em uma região como a América Latina, com economias ainda mais díspares, uma união monetária com desunião fiscal seria uma combinação mais explosiva. 

            Mesmo com a queda do preço do Bitcoin em 2022, El Salvador se tornou um polo que atrai turistas, empreendedores e novas empresas para lá. Quem visita El Salvador, fica impressionado com a quantidade de jovens e de famílias inteiras que se mudaram para viver sob um padrão monetário novo. Adotar o Bitcoin é apostar em um futuro com mais liberdade, moeda forte e soberania financeira de verdade, muito diferente da centralização bancária, das taxas e dos controles da moeda digital de mais um banco central.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na melhor corretora de traders de criptomoedas. Acesse ByBit.com

Notícias relacionadas



Ancord e BlockTrends lançam primeira Certificação em Criptoativos do Mercado Financeiro e de Capitais Donald Trump Agora Possui US$ 30 Milhões em Memecoins DOG é listada na Bybit e atinge máxima histórica pelo segundo dia consecutivo DOG, memecoin no Bitcoin, atinge nova máxima histórica Investidor lucra mais de US$180 mil (154.724%) com bug de Berkshire Hathaway