Artigo

IPVA de 2022 pode ter alta de até 20% segundo a Tabela FIPE


Por Felippe Hermes
Agosto 28, 2021

[post-views]

Criada pela Fundação Instituto de Pesquisa Econômica, a Tabela FIPE é a base utilizada pelos estados para o cálculo do valor de veículos e do IPVA. Em meio a pandemia e crise na indústria, os reajustes chegam a 20%.

Criado em 1985 no estado de São Paulo, o IPVA substituiu a TRU, Taxa Rodoviária Única. Logo na sequência o novo imposto ganhou espaço em outros estados e na própria Constituição Federal.

O motivo é relativamente simples. Por se tratar de uma taxa, a TRU possuía uma aplicabilidade limitada. Os recursos arrecadados com o tributo criado em 1969 eram direcionados para cobrir os custos gerados pelos veículos, em sua maioria com investimentos e manutenção de ruas e rodovias. Ao contrário da TRU, que cobrava 2% sobre o valor venal, o IPVA pode chegar até 4%.

Já os impostos, ao contrário do taxas ou contribuições, possuem aplicação menos restritiva. Em resumo, um imposto pode ser gasto em qualquer área do orçamento.

Na prática, os governos estaduais, responsáveis pela cobrança, passaram a ter mais poder sobre os recursos, e claro, desviar os recursos para outras áreas do orçamento.

Hoje o IPVA é responsável por cerca de R$42 bilhões em arrecadação anual, com ¼ deste valor sendo repassado aos municípios.

Do bolo de tributos arrecadados anualmente, a parcela do IPVA oscila entre 6 a 7% das receitas de Estados e municípios, quase o dobro do gastos com todas as assembléias estaduais e câmaras municipais.

Para fazer o cálculo, os estados utilizam a chamada Tabela FIPE, uma criação da Fundação Instituto de Pesquisa Econômica, ligada a USP.

Da mesma maneira que o IBGE calcula a inflação, medindo preços em mercados de todo o país, a FIPE realiza uma pesquisa de preços de veículos novos e usados, excluindo os valores mais altos e os muito baixos, encontrando a mediana de preços.

Neste ano, em meio a uma desordem nas cadeias de produção, gerada pela pandemia, além dos problemas na produção de semicondutores, a Tabela FIPE tem encontrado variações de até 20% no valor de veículos usados.

Em julho de 2021, a FIPE averiguou uma alta de, em média, 9,8% do preço dos veículos em 12 meses. 

Segundo a consultoria AlixPartners, a indústria automotiva como um todo deve ter prejuízos globais da ordem de $110 bilhões de dólares com a escassez de semicondutores.

Para se ter uma ideia da importância do insumo na cadeia de produção, a General Motors explica que um único veículo modelo Onix demanda ao menos 1000 semicoondutores. Cerca de ⅓ deles está empregado em questões envolvendo segurança dos veículos, enquanto o restante se divide entre conectividade, conforto e força do veículos.

Em 2013 a estimativa era de que cada veículos envolvia ao menos $300 em semicondutores, enquanto em 2022 a expectativa é de que o custo chegue a $600 por carro.

Com a desvalorização do real de bônus, o valor médio por aqui saltou de R$720 para R$3 mil por veículo, uma vez que os semicondutores são integralmente importados.

Ainda segundo a consultoria, a expectativa é de que a produção global de veículos caia em cerca de 3,9 milhões de unidades. Já no Brasil, segundo a Anfavea, a produção atingiu um teto de 200 mil unidades mensais.

A produção em fábricas como a de Gravataí no RS, de propriedade da GM, que havia sido suspensa em maio, teve o seu retorno adiado de julho para agosto deste ano, justamente pela falta de componentes.

Assim como nos combustíveis, a alta do preço dos veículos está tendo um ganhador claro: o governo.

Como resumiu o ministro Paulo Guedes, o aumento na inflação também tem gerado aumento de arrecadação.

Seja por problemas monetários, ou por disfunção na cadeia de produção, o governo está arrecadando mais, na medida em que os preços aumentam.

VOCÊ PODE CURTIR TAMBÉM:

cool good eh love2 cute confused notgood numb disgusting fail