Participe da
Comunidade Ícone Whatsapp
Investimentos

Grant Thornton: mesmo com lucro líquido menor em 2022, incorporadoras têm perspectivas positivas para 2023 e 2024

A Grant Thornton, empresa global de auditoria, consultoria e tributos, publicou um estudo com boas perspectivas para o segmento. Confira.

A Grant Thornton, empresa global de auditoria, consultoria e tributos, publicou um estudo sobre o setor de incorporação na construção civil. O estudo compara os resultados de 2022 com 2021 e prognósticos a partir do segundo semestre de 2023.

Segundo o levantamento, o aumento dos custos de materiais de construção, bem como a alta na taxa de juros, causaram prejuízos. Nesse sentido, as empresas desse segmento tiveram uma redução no lucro líquido. O descréscimo foi de 57,9% em 2022 comparado a 2021. Além disso, mesmo com a receita estável, o setor sofreu o impacto de custos maiores e, com isso, a redução da margem bruta.

Entre na comunidade BLOCKTRENDS PRO com 15% OFF e receba +20 cursos, análises diárias, relatórios semanais, lives e mais.

Segundo Maria Regina Abdo, sócia de Auditoria e líder de Real Estate & Construção da Grant Thornton Brasil, esse encolhimento da margem bruta foi de 3,2%. Enquanto o aumento dos custos foi de 12% entre 2021 e 2022.

“Além disso, foi observada uma redução de 19,6% de aumento em despesas administrativas, enquanto as despesas comerciais aumentaram 11,5%, números que também colaboraram para o estrangulamento do setor no ano passado”, afirma.

Alto endividamento, porém resiliência e tendência de recuperação

Maria Regina ainda destaca que o endividamento aumentou de forma significativa, chegando a R$ 8,2 bi em 2022 em comparação a 2021. Já a dívida sobre patrimônio expandiu de 66,8% em 2021 para 87,1% em 2022.

“Mesmo assim, as perspectivas são positivas. O primeiro trimestre de 2023 já mostrou uma tendência de aumentos nas receitas líquidas, bem como uma melhora no lucro líquido das companhias, que saiu de março de 2022 com um prejuízo de R$462 milhões e saltou para um lucro de R$245 milhões em março de 2023”, comenta.

Outro ponto analisado por Thiago Bragatto, sócio da Grant Thornton, é o abrupto reaquecimento do setor em 2022, que havia sido fortemente impactado pela pandemia da Covid-19, bem como a guerra na Ucrânia.

Retomada do segmento

No entanto, assim como sinalizado por Maria Regina, o executivo também aposta na retomada do segmento ainda esse ano, alavancada pela queda de juros.

“As demonstrações combinadas do setor demonstram o aquecimento nas atividades imobiliárias, representado pelo aumento dos saldos de estoques e contas a receber, reflexo ainda da baixa taxa de juros experimentada durante 2020 e 2021. Por outro lado, a pandemia global e a guerra da Ucrânia geraram interrupções globais na cadeia de suprimentos, impactando diretamente os custos de construção e as margens dos projetos. O setor continua resiliente e com perspectivas positivas para 2024, com apostas na tendência de redução da taxa de juros”, finaliza.

O estudo envolveu as informações financeiras combinadas de 22 empresas listadas na bolsa de valores mobiliários (B3) no segmento do Novo Mercado e análise do comportamento dos principais saldos contábeis, resultando em uma visão abrangente sobre o mercado brasileiro. Os períodos compreendem:

Saldos de balanço de dezembro de 2021 contra dezembro de 2022, e março de 2023. Além disso, saldos de resultado de março de 2023 contra março de 2022. Por fim, saldos de resultados de dezembro de 2022 contra dezembro de 2021.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na melhor corretora de traders de criptomoedas. Acesse ByBit.com

Notícias relacionadas