Participe da
Comunidade Ícone Whatsapp
Economia

FMI libera R$23,3 bilhões para Argentina em apoio a plano de Milei

O desembolso imediato visa apoiar os esforços iniciais e os “fortes compromissos das autoridades argentinas em restaurar a estabilidade macroeconômica”.

Nesta quarta-feira (31), o presidente da Argentina Javier Milei foi contemplado com uma boa notícia vinda do Conselho Executivo do Fundo Monetário Internacional (FMI). Nesse sentido, o órgão decidiu liberar de imediato R$ 23,3 bilhões para o país, a fim de apoiar o plano de Milei. A decisão concluiu a sétima revisão do acordo estendido sob o Mecanismo de Financiamento Ampliado (EFF) para a Argentina.

O desembolso imediato visa apoiar os esforços iniciais e os “fortes compromissos das autoridades argentinas em restaurar a estabilidade macroeconômica”, diz o comunicado oficial. Além disso, busca ajudar o país a atender às suas necessidades de balanço de pagamentos. Desse modo, a decisão aumenta os desembolsos totais sob o acordo para aproximadamente US$ 40,6 bilhões.

Ao completar a revisão, o Conselho Executivo avaliou que os principais objetivos do programa até o final de dezembro de 2023 foram amplamente perdidos devido a graves retrocessos políticos. Desse modo, exigindo a aprovação de renúncias de não observância.

O Conselho aprovou renúncias associadas à introdução de medidas temporárias que resultaram na introdução ou intensificação de restrições cambiais e práticas de múltiplas moedas.

Além disso, os objetivos do programa foram modificados. Segundo o FMI as mudanças estão alinhadas com as ações iniciais e os “planos ambiciosos das autoridades para recolocar o programa nos trilhos e restaurar a estabilidade macroeconômica. Protegendo ao mesmo tempo os mais vulneráveis.”

A culpa é do governo anterior, diz Diretora do FMI

Kristalina Georgieva, Diretora-Gerente e Presidente do FMI, comenta que após a conclusão das últimas revisões, os desequilíbrios na economia da Argentina aumentaram, e o programa “saiu dos trilhos”. Contudo, ela ressaltou tratam-se de reflexos de “inconsistentes do governo anterior.”

“Diante dessa difícil herança – inflação elevada e crescente, reservas esgotadas e altos níveis de pobreza – a nova administração está tomando ações ousadas para restaurar a estabilidade macroeconômica e começar a abordar os impedimentos de longa data ao crescimento. Essas ações iniciais evitaram uma crise de balanço de pagamentos, embora o caminho para a estabilização seja desafiador”, diz.

Ademais, ainda segundo Georgieva, o plano de estabilização da Argentina foca na âncora fiscal que encerra todo o financiamento do governo pelo banco central. Ela também ressaltou a conquista de um superávit fiscal primário de cerca de 2% do PIB este ano.

Ela afirmou que uma combinação de impostos temporários sobre importações e o aumento dos impostos sobre combustíveis sustentará a conquista, juntamente com a racionalização dos subsídios de energia e transporte, a redução dos custos administrativos e o corte das despesas discricionárias menos prioritárias.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na melhor corretora de traders de criptomoedas. Acesse ByBit.com

Notícias relacionadas



Bitcoin decola 50% em fevereiro. Ainda vale a pena comprar? BlackRock, maior gestora do mundo, começa a oferecer ETF de Bitcoin na B3 Crise diplomática com Israel impacta FAB, agro e energia no Brasil Aos 85 anos, Abílio Diniz ainda inovava e apostou em cripto Apple bloqueia pornografia em Vision Pro e usuários ficam irritadíssimos