Participe da
Comunidade Ícone Whatsapp
Blockchain

CVM autoriza B3 a oferecer futuros de Bitcoin

Este produto, que tem como base o índice Nasdaq Bitcoin Reference Price (NQBTC), permitirá aos investidores negociar contratos equivalentes a 0,1 bitcoin.

A B3 anunciou nesta quinta-feira (28) que, após receber a aprovação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), lançará um contrato futuro de Bitcoin (BTC). Desse modo, o produto se chamará BIT, e vai estreiar no mercado brasileiro em 17 de abril.

Este produto, que tem como base o índice Nasdaq Bitcoin Reference Price (NQBTC), permitirá aos investidores negociar contratos equivalentes a 0,1 bitcoin, ou seja, 10% do valor da criptomoeda em reais, com vencimentos mensais. Atualmente, o bitcoin, a criptomoeda de maior valor de mercado, tem seu preço em torno de R$ 350 mil.

Embarque em mais de 150 horas de conteúdo exclusivo sobre o universo das criptomoedas e blockchain na Plataforma BlockTrends.

No mercado futuro, o investidor se compromete a comprar ou vender um determinado tipo de ativo em uma data futura com um preço pré-determinado, de acordo com seu perfil de risco e estratégia.  Para negociar o futuro de bitcoin, os investidores de varejo precisarão depositar na corretora uma margem mínima de R$ 100 por contrato.

Conforme o anúncio da B3, após aval da CVM, os investidores que mantiverem posições nos contratos de Bitcoin, ou seja, que não zerarem suas posições até o final do pregão, deverão depositar o equivalente a 50% do valor do contrato. O depósito da margem de garantia é um mecanismo usado para garantir que ambas as pontas da operação cumpram com a obrigação financeira.

B3 vai oferecer futuros de Bitcoin

A B3 esclarece que a liquidação do contrato será puramente financeira. Ou seja, baseando-se na variação do preço do bitcoin, sem envolver a compra ou venda física da criptomoeda. Felipe Gonçalves, superintendente de Produtos de Juros e Moedas da B3, enfatizou que o lançamento responde à demanda por um derivativo que oferece proteção contra a volatilidade do bitcoin ou exposição direta ao ativo.

Assim, com objetivo de garantir a segurança de operar dentro do ambiente regulado da bolsa brasileira. Inicialmente, o produto contará com a presença de formadores de mercado. Eles serão responsáveis por negociar o contrato e contribuir para a liquidez e formação de preços confiáveis.

A B3 destacou que, diferentemente de muitos países, o Brasil foi pioneiro na aprovação de ETFs com exposição direta ao bitcoin, sendo o terceiro país a autorizar esse tipo de investimento.

Atualmente, a B3 oferece 13 ETFs com exposição a criptoativos, incluindo quatro específicos de bitcoin. O primeiro ETF de bitcoin lançado foi o QBTC11, da QR Asset, em junho de 2021. O índice Nasdaq Bitcoin Reference Price, utilizado como referência para o contrato futuro da B3, também é empregado pelo BITH11, ETF da Hashdex.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na melhor corretora de traders de criptomoedas. Acesse ByBit.com

Notícias relacionadas



Pela primeira vez em 15 anos, todos bilionários com menos de 30 anos são herdeiros. E isso é ótimo para o Bitcoin Alguém lembrou de 50 centavos em BTC guardados em 2010. Agora valem US$3,3 milhões Por que o Bitcoin está caindo tanto nesta sexta-feira (12) Quanto valem as criptomoedas de Times Brasileiros Golpe faz investidores perderem R$1,3 milhão em 2 minutos em criptomoeda