Participe da
Comunidade Ícone Whatsapp
Investimentos

WeWork pede proteção contra falência e confirma nova temporada de WeCrashed

A WeWork tinha espaço de escritório disponível em 777 localidades em todo o mundo até o final de junho.

A WeWork, startup apoiada pelo SoftBank Group, entrou com um pedido de proteção contra falência nos EUA na segunda-feira (6). O pedido consiste em permitir que a empresa continue operando e adiar o prazo de pagamento aos credores, como forma de reestruturação da startup. A empresa aluga espaços para co-working, mas sofreu um baque durante a pandemia.

A WeWork é uma história em que o rápido sucesso, seguido pela queda meteórica, redefiniram o setor de escritórios globalmente. Tanto é que a história ganhou uma série na Apple +, a WeCrashed, interpretada por Jared Letto e Anne Hathaway.

Entre na comunidade BLOCKTRENDS PRO com 15% OFF e receba +20 cursos, análises diárias, relatórios semanais, lives e mais.

Desse modo, a medida representa uma admissão por parte do SoftBank, de que a empresa não pode sobreviver a menos que renegocie seus aluguéis em falência. O banco de investimento de tecnologia japonês, Softbank, que possui cerca de 60% da WeWork (WE.N), investiu bilhões de dólares em sua recuperação.

Renegociação de dívidas em forma de ações

Nesse sentido, um porta-voz da WeWork disse que cerca de 92% dos credores da empresa concordaram em converter sua dívida garantida em participação acionária. Seria realizado sob um acordo de suporte à reestruturação, eliminando cerca de US$ 3 de dólares em dívida.

Ademais a empresa diz também pretender abrir processos de falência no Canadá, e esperar ter a liquidez financeira para continuar os negócios normalmente. Além disso, que suas localizações fora dos EUA e Canadá, bem como seus franqueados ao redor do mundo, não foram afetados por esses processos.

A WeWork tinha espaço de escritório disponível em 777 localidades em todo o mundo até o final de junho. O SoftBank disse acreditar que o acordo de suporte à reestruturação da WeWork era a ação apropriada para a empresa reorganizar seus negócios e emergir dos procedimentos do Capítulo 11 da lei de falências dos Estados Unidos.

As ações da WeWork caíram cerca de 98,5% até agora este ano. A rentabilidade é quase nula, já que a WeWork luta com aluguéis caros e clientes corporativos cancelando devido a uma tendência de funcionários trabalharem de casa.

O pagamento por espaço consumiu 74% da receita da WeWork no segundo trimestre de 2023, a última vez que relatou resultados financeiros. Em um processo junto ao tribunal de falências de Nova Jersey, a WeWork listou ativos de US$ 15,06 bilhões e passivos de US$ 18,66 bilhões até 30 de junho.

A WeWork busca proteção contra falência e poderá usar disposições do código de falências dos EUA para se livrar de aluguéis onerosos. Alguns proprietários estão se preparando para um impacto significativo.

O que é a WeWork?

Sob seu fundador Adam Neumann, a WeWork cresceu para ser a startup mais valiosa dos EUA, valendo US$ 47 bilhões. Atraía investimentos de investidores de primeira linha. Incluindo SoftBank e a empresa de capital de risco Benchmark, bem como o apoio de grandes bancos de Wall Street, incluindo o JPMorgan Chase (JPM.N).

A busca de Neumann por crescimento acelerado às custas dos lucros e revelações sobre seu comportamento excêntrico levaram à sua saída e ao descarrilamento de uma oferta pública inicial em 2019. O SoftBank foi forçado a dobrar seu investimento na WeWork e contratou o veterano do setor imobiliário Sandeep Mathrani como CEO. Em 2021, o SoftBank fez um acordo para levar a WeWork a oferta pública por meio de uma fusão com uma empresa de aquisição de cheque em branco com uma avaliação de US$ 8 bilhões.

A WeWork conseguiu alterar 590 aluguéis, economizando cerca de US$ 12,7 bilhões em pagamentos fixos de aluguel. Mas isso não foi suficiente para compensar as consequências da pandemia de COVID-19, que manteve os trabalhadores de escritório em casa.

Muitos de seus proprietários, que também estavam sentindo o aperto, tinham pouco incentivo para dar à WeWork um desconto nos termos de seus aluguéis.

Embora a WeWork tenha tido algum sucesso em assinar com grandes conglomerados como clientes, muitos de seus clientes eram startups e pequenas empresas. Essas que cortaram seus gastos à medida que a inflação disparou e as perspectivas econômicas azedaram.

Acrescentando aos problemas da WeWork estava a concorrência de seus próprios proprietários. Empresas de propriedades comerciais que tradicionalmente só firmavam acordos de aluguel de longo prazo começaram a oferecer aluguéis curtos e flexíveis para lidar com a desaceleração no setor de escritórios.

Mudanças na presidência

David Tolley, ex-banqueiro de investimentos e executivo de private equity, assumiu o cargo de CEO da WeWork este ano, sucedendo Mathrani. Anteriormente, como CEO da Intelsat, Tolley auxiliou o provedor de comunicações via satélite, que enfrentava dificuldades financeiras, a sair da falência em 2022.

A WeWork se envolveu em reestruturações de dívidas, mas isso não foi suficiente para evitar sua falência. A empresa garantiu na semana passada uma extensão de sete dias de seus credores em um pagamento de juros para ganhar mais tempo para negociar com eles.

Pouco antes da WeWork pedir falência, Neumann disse em um comunicado. “Acredito que, com a estratégia e equipe certas, uma reorganização permitirá que a WeWork emerja com sucesso”.

WeWork
(Imagem: AP/Mary Altaffer)

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na melhor corretora de traders de criptomoedas. Acesse ByBit.com

Notícias relacionadas



Mt. Gox move mais de US$ 9 Bilhões em Bitcoin após 6 Anos Donald Trump vira bitcoiner e quer conceder perdão presidencial ao criador da Silk Road Trader compra US$ 1,1 milhão em memecoin, e agora tem US$ 150 Elon Musk cria US$ 30 bilhões do nada com IA do Twitter Trader faz US$ 6.500 virar US$ 5,6 milhões com criptomoedas meme do Trump após ele falar bem do mercado