Participe da
Comunidade Ícone Whatsapp
Blockchain

SEC protegeu investidores de um retorno de 44.900% não aprovando ETF em 2013

A criptomoeda estava sendo negociada a apenas US$ 90 quando os gêmeos Winklevoss tentaram lançar seu fundo.

A Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC) assumiu seu papel de agência reguladora e protetora dos investidores ao privar uma valorização de 44.900% desde 2013. Nesse sentido, a agência rejeitou uma proposta para lançar o primeiro ETF de Bitcoin já naquela época.

A decisão final aconteceu em julho de 2023, e colocou uma triste conclusão a busca de mais de três anos pelos investidores de Bitcoin, Cameron e Tyler Winklevoss, os criadores da Gemini e famosos por participarem da criação do Facebook.

Portanto, no ano passado a SEC avaliou uma proposta de mudança de regra que permitiria a listagem do ETF na Bats BZX Exchange. Na época, a SEC solicitou vários comentários públicos e adiou sua decisão várias vezes.

Além disso, os patrocinadores do ETF expandiram o escopo da oferta inicial de US$ 20 milhões para US$ 100 milhões. Em um comunicado público detalhando a decisão, a SEC declarou: “Conforme discutido mais adiante, a Comissão está desaprovando esta proposta de alteração de regra porque não a considera consistente com o Artigo 6 (b) (5) do Exchange Act”.

O artigo citado exige que as regras de uma exchange de valores sejam concebidas para prevenir atos e práticas fraudulentas e manipuladoras, entre outras coisas. Além de visar “proteger os investidores e o interesse público”.

A criptomoeda estava sendo negociada a apenas US$ 90 quando eles tentaram lançar seu fundo. Portanto, novamente os gêmeos Winklevoss tiveram dificuldades em lucrar com sua vantagem de serem pioneiros. O ETF estava programado para negociar sob o símbolo “COIN”. O ticker, antes proposto pelos Winklevoss, agora pertence à Coinbase na Nasdaq.

SEC protege contra Bitcoin

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na melhor corretora de traders de criptomoedas. Acesse ByBit.com

Notícias relacionadas



Bitcoin decola 50% em fevereiro. Ainda vale a pena comprar? BlackRock, maior gestora do mundo, começa a oferecer ETF de Bitcoin na B3 Crise diplomática com Israel impacta FAB, agro e energia no Brasil Aos 85 anos, Abílio Diniz ainda inovava e apostou em cripto Apple bloqueia pornografia em Vision Pro e usuários ficam irritadíssimos