Blockchain

Mineradores podem clonar Ethereum e forçar hard fork da rede

Mudança é liderada por Chandler Guo, que pretende manter atividade após a atualização The Merge.

Enquanto a atualização The Merge não acontece, mineradores da Ethereum estão organizando um hard fork forçado da rede. A atualização permitirá que um clone seja criado, preservando o mecanismo de prova de trabalho para a validação de transações.

O movimento é liderado pelo minerador Chandler Guo, que participou ativamente de um hard fork que aconteceu na Ethereum em 2016. Naquela época, um novo token foi criado com a atualização, o ethereum classic (ETC).

Dessa vez, a criação de uma rede idêntica a Ethereum busca criar formas de manter a atividade de mineração na plataforma. Com a atualização The Merge marcada para o final de 2022, a rede abandonará gradativamente a prova de trabalho (PoW), que será substituída pelo protocolo de prova de participação(PoS).

Nas redes sociais, o minerador Chandler Guo afirmou que pode repetir a bifurcação da rede que aconteceu em 2016. Em julho daquele ano, a Ethereum sofreu uma atualização que deu vida ao ETC.

A atualização The Merge ganhou impopularidade entre os mineradores por representar um fim para a atividade na Ethereum. Sem poder de decisão para impedir a atualização, um grupo de mineradores tenta criar uma rede idêntica à principal.

Dessa forma, eles podem convencer outros mineradores a manter a atividade na rede clone. Além disso, a ETH POW, como foi chamado por Chandler Guo o token que será criado com a bifurcação, precisa atrair grandes plataformas que fazem parte atualmente da Ethereum.

Nova rede Ethereum


O minerador Chandler Guo está planejando clonar a Ethereum através de um hard fork. Para isso, ele precisa adquirir poder de hash suficiente para propor uma mudança estrutural na rede.

Esse poder é adquirido com a atividade de mineração. Com o clone, a rede poderia ser dividida em duas, assim como aconteceu em julho de 2016 com a ethereum classic.

Além de uma rede idêntica, a bifurcação resultará em um novo token no mercado cripto. O ETH POW precisa ser listado em exchanges e ganhar apoio do mercado para se tornar relevante.

Nada garante que o ETH POW terá a mesma precificação que o ether, principal criptoativo da Ethereum. Sendo assim, o projeto já enfrenta resistência de plataformas que operam através da rede principal.

Segundo o diretor de tecnologia da tether (USDT), Paolo Ardoino, a plataforma que desenvolve a stablecoin não sustentará o hard fork proposto pelos mineradores. No Twitter, ele explicou que apoiará a transição do mecanismo de validação da Ethereum, para a prova de participação (PoS).

A atualização The Merge está prevista para acontecer em setembro de 2022. Além de uma bifurcação, os mineradores podem encontrar na ethereum classic uma forma de manter a atividade na rede, migrando a operação para o hard fork criado em 2016.

Notícias relacionadas

Quer aprender a investir em criptoativos na bolsa, de forma prática e inteligente? Nós preparamos um curso gratuito com o passo a passo. Clique aqui para acessar.