Economia

Número de salários pagos em criptomoedas cresce na América Latina

Região concentra mais de 66% dos trabalhadores remotos que recebem em moedas digitais no mundo.

A adoção de criptomoedas está crescendo na América Latina através de salários pagos para colaboradores em regime home office. De acordo com um relatório da Deel, 5% dos trabalhadores remotos receberam moedas digitais como forma de pagamento.

Os dados referem-se ao uso de criptomoedas para pagamentos de salários entre janeiro e junho de 2022. Em comparação com o mesmo período no ano passado, a adoção cresceu 150%.

Sendo assim, em 2021 apenas 2% dos trabalhadores remotos recebiam em criptomoedas. A Deel analisou 100 mil contratos para realizar a pesquisa que aponta aumento na adoção na América Latina.

A América Latina também concentra a maior parte dos pagamentos por serviços através de moedas digitais. Os dados analisados correspondem a contratos de 150 países, onde mais de 66% dos pagamentos em criptomoedas aconteceram na região que inclui países como Brasil e Argentina.

Criptomoedas na América Latina


A contração do mercado cripto nos últimos meses não afetou o aumento da adoção de pagamentos com criptomoedas na América Latina. Além de pagamentos, países como a Argentina experimentam uma ampliação do uso de stablecoins como forma de proteção contra a inflação.

Além da América Latina, 25% dos pagamentos com criptomoedas foram concentrados na África, Europa e Oriente Médio. Os trabalhadores também estão diversificando a moeda digital escolhida como salário.

Até o primeiro semestre de 2021, o bitcoin correspondia por mais de 66% dos pagamentos com criptomoedas analisados pela pesquisa. No entanto, em 2022 o bitcoin perdeu a dominância e foi usado em menos de 50% das transações recebidas por trabalhadores remotos em todo o mundo.

A pesquisa da Deel foi realizada com jovens, que desenvolvem trabalhos nas áreas de tecnologia e finanças. Enquanto na América Latina adoção de pagamentos com criptomoedas aumentou, na América do Norte o índice não teve grandes variações em 2022.
Atualmente, a América do Norte é responsável por 7% de todos os pagamentos de salários com criptomoedas analisados pelo relatório. Cerca de 75% dos participantes da pesquisa possuem menos de 35 anos.

Notícias relacionadas

Quer aprender a investir em criptoativos na bolsa, de forma prática e inteligente? Nós preparamos um curso gratuito com o passo a passo. Clique aqui para acessar.
Faraó do Bitcoin declara R$60 milhões em campanha política Brasil volta a crescer e PIB sobe 0,69% em junho Quanto os bilionários brasileiros já perderam em 2022 Como o Flamengo saiu da falência para o maior orçamento do Brasil Inflação mensal na Argentina supera a anual no Brasil em Julho