Blockchain

Blockchain pode ajudar no combate a mineração ilegal de ouro

ONG Instituto Escolha cria proposta com tecnologia que pode reduzir a exploração ilícita do metal no Brasil

A blockchain pode ser uma ferramenta indispensável no combate a mineração ilegal de ouro no Brasil. De acordo com a proposta da ONG Instituto Escolha, a tecnologia serviria para rastrear a produção do metal precioso.

Dessa forma, a tecnologia blockchain será capaz de mitigar o avanço do garimpo ilegal presente em alguns estados brasileiros. O relatório apresentado pela ONG diz que um sistema descentralizado de dados deveria substituir o uso de recibos de papel.

A proposta do Instituto Escolha apresenta uma plataforma de validação de dados que conectaria toda a produção de ouro com o Banco Central, INPE, Funai e Receita Federal.

Empresas mineradoras e outros órgãos ambientais também fazem parte da proposta de gerenciamento de dados via blockchain. Toda essa cadeia de informações é ligada ainda aos garimpos e ao vendedor final do ouro rastreado.

Ouro rastreado via blockchain


O Brasil enfrenta um grande desafio em relação ao garimpo ilegal do ouro. Assim, com a extração ilícita do minério crescendo, alternativas de controle da produção como a blockchain podem representar mais fiscalização para o mercado.

A tecnologia blockchain permitiria que o processo de extração e venda do ouro fosse criado em um ambiente descentralizado de gestão de dados. Portanto, toda a cadeia de produção deveria inserir informações no sistema proposto pela ONG Instituto Escolha.

“Com a implementação de um sistema capaz de atestar a origem do ouro brasileiro, o país contaria com uma ferramenta robusta para barrar o desmatamento e as violações de direitos humanos, otimizar as ações de fiscalização, frear o comércio ilegal e aumentar a transparência em todo o setor mineral.”

Código de identificação em barras


A ONG Instituto Escolha criou uma proposta de implantação da tecnologia blockchain no setor de mineração do ouro. Sendo assim, a ideia é conectar toda a cadeia em um sistema que armazena informações que servirão para o controle e fiscalização da produção no Brasil.

Além de informações apresentadas digitalmente, o sistema seria capaz de gerar códigos de identificação para barras de ouro. Ou seja, cada barra teria um número de controle único, que armazenaria todos os dados sobre a produção do metal precioso.

“Para garantir a origem do ouro até o consumidor final, é fundamental que o metal receba uma marcação física antes de sair da área de extração. Com isso, cria-se um lote único para determinado volume de ouro, evitando seu manuseio por pessoas não autorizadas ou sua junção ao ouro extraído de outras áreas.”

Notícias relacionadas

Quer aprender a investir em criptoativos na bolsa, de forma prática e inteligente? Nós preparamos um curso gratuito com o passo a passo. Clique aqui para acessar.
Faraó do Bitcoin declara R$60 milhões em campanha política Brasil volta a crescer e PIB sobe 0,69% em junho Quanto os bilionários brasileiros já perderam em 2022 Como o Flamengo saiu da falência para o maior orçamento do Brasil Inflação mensal na Argentina supera a anual no Brasil em Julho