Participe da
Comunidade Ícone Whatsapp
Investimentos

B3 garante concessão à alunos da J&F dos Batistas para atuar na bolsa; estudantes recebem R$ 3 milhões para operar

Conforme anúncio, o objetivo da iniciativa é alinhado ao propósito da escola de negócios fundada por Wesley e Joesley Batista.

Alunos do Instituto J&F receberam uma concessão inédita da B3 para, mesmo sendo menores de idade, operarem o Ibovespa Futuro, segundo anunciado nesta quinta-feira (6) pelo Instituto J&F. O índice negocia contratos de compra e vendas de ativos liquidados no futuro.

No Projeto Jovem Investidor, desenvolvido em parceria com a corretora Commcor, o Instituto J&F anunciou que irá disponibilizar um capital de R$ 3 milhões para que 130 estudantes invistam na B3. Com isso, desenvolvem conhecimento sobre mercados, percepção de risco-retorno, entendimento quanto aos produtos da bolsa de valores e capacidade analítica.

Conforme anúncio, o objetivo da iniciativa, alinhado ao propósito da escola de negócios fundada por Wesley e Joesley Batista, é formar na teoria e na prática líderes capazes de gerenciar grandes negócios.  

Estudantes aprendendo na B3

Para o Diretor do Instituto J&F e membro dos conselhos de administração do Banco Original e do Picpay, Raul Francisco Moreira, “esse reconhecimento em relação ao Projeto Jovem Investidor é mais um componente de um amplo e inédito programa de formação voltado para unir com maior assertividade o aprendizado da escola com o mundo financeiro na prática, levando aos alunos entenderem que as decisões tomadas no dia-a-dia têm benefícios e custos. E o mercado financeiro é o ambiente ideal para permitir uma rápida compreensão de que uma decisão bem fundamentada e no momento certo pode gerar amplas vantagens competitivas”.

A participação no projeto é opcional para os matriculados do 9º ano do Ensino Fundamental e da 1ª e da 2ª série do Ensino Médio.

“Todos os interessados precisam passar por uma prova e ter autorização dos responsáveis para poder participar e contam com apoio contínuo dos professores para desenvolver o aprendizado”, explica Edison Simões, professor de finanças responsável pelo projeto.  Dependendo de sua senioridade, os alunos podem ter maior ou menor exposição ao mercado, atuando com lotes de minicontratos de índice futuro Ibovespa.

Projeto tem colaboração do PicPay

Um dos diferenciais do Instituto é sua abordagem que une teoria e prática. Nesse sentido, o projeto Jovem Investidor conta com a colaboração do PicPay, que fornece conteúdo para as aulas e projetos, utilizando exemplos reais da empresa.

A parceria, segundo o PicPay, tem como objetivo preparar os alunos de maneira abrangente para ingressar no mercado financeiro. Desse modo, garantindo que seu aprendizado esteja sempre atualizado e evitando a obsolescência do conhecimento., diz o Projeto.

Além do Projeto Jovem Investidor, os alunos do Instituto J&F também podem se preparar, e realizar exames, para obter certificações da Anbima, segundo o Instituto.

A Certificação Profissional Anbima Série 20 (CPA-20) concede autorização aos titulares para explicar aos clientes sobre produtos de investimento e crédito. Por sua vez, a Certificação Anbima de Especialistas (CEA) permite atuar na recomendação de produtos para clientes em diversos segmentos e assessorar gerentes de contas. Até o momento, 27 estudantes do Instituto J&F conquistaram a CPA-20, e 20 obtiveram a CEA. Outros 45 alunos estão se preparando para realizar os exames e obter a certificação ainda em julho.

O CPA-20 é normalmente adquirido por profissionais entre 25 e 35 anos, com taxa de aprovação na avaliação de 57%. Os alunos do Instituto J&F conquistam essa habilitação com idades entre 15 e 16 anos e aproveitamento de 80%. Estudantes de 16 e 17 anos alcançaram 70% no CEA. Isso representa 30 pontos percentuais a mais do que a aprovação geral na prova feita principalmente por pessoas entre 18 e 25 anos.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na melhor corretora de traders de criptomoedas. Acesse ByBit.com



Nada vai fazer o Bitcoin parar, diz Michael Saylor. Entenda a tese da ‘alta infinita’ Antonio Ais, ‘Toin’ da Braiscompany, é preso na Argentina Bitcoin decola 50% em fevereiro. Ainda vale a pena comprar? BlackRock, maior gestora do mundo, começa a oferecer ETF de Bitcoin na B3 Crise diplomática com Israel impacta FAB, agro e energia no Brasil