Artigo

7 momentos em que você teve certeza que o Brasil seria reprovado em um psicotécnico


Por Hugo Montan
Abril 29, 2021

[post-views]

Todos sabemos que viver no Brasil não é uma tarefa fácil, embora sejamos contemplados com belezas naturais e culturais, devemos reconhecer que todo tipo de organização constitucional existente no nosso país tem seus problemas. Elencamos aqui, os 7 momentos que provam que viver no Brasil atual é um verdadeiro desafio.

Foi em 1975 que Nelson Rodrigues publicou uma de suas colunas mais memoráveis em O Globo.

Narrando uma ocasião onde o país havia tido um “super-feriado” que se estendia entre uma sexta-feira e se prolongava até a terça de manhã, Nelson narra com certo descrédito o que vê na praia, após 4 longos dias de feriado: uma imensidão de umbigos que se amontoam para curtir as areias de Copacabana como se o feriado ainda estivesse ali.

Em suma, o dramaturgo descreve que “o brasileiro tem alma de feriado”.

Tudo sobre blockchain, investimentos e economia.

Assine a nossa newsletter

BLOCKTRENDS

Assine Grátis nossa Newsletter e acompanhe as tendências sobre blockchain, investimentos e economia.

É uma síntese poderosa, daquelas que lhe faz pensar nos motivos que levam tantos a publicar teses e mais teses sobre os problemas institucionais brasileiros.

Sérgio Buarque de Holanda, por exemplo, dedica suas obras a explicar o conceito do “Homem cordial”, uma herança brasileiros dos tempos de colonização ibérica que contrapõe as noções de civilidade e acentua o personalismo do brasileiro, sempre cordial e afeito a informalidade.

Outros tantos economistas se debruçam sobre a noção de instituições inclusivas ou extrativistas para explicar o Brasil.

Por fim, todos chegam à mesma conclusão de Nelson Rodrigues em outra de suas tiradas: subdesenvolvimento não se improvisa, é obra de séculos.

E neste quesito, como em poucos outros, somos especialistas, como você pode conferir nesse resumo das situações mais surreais do Brasil e suas instituições.

17 PENSÕES PARA HERDEIRAS DE SOLDADOS DA GUERRA DO PARAGUAI

Não é novidade para nenhum cidadão bem informado os absurdos que são realizados com o dinheiro público, sejam eles constitucionais ou inconstitucionais. Dentre os maiores absurdos que perduram sob a nossa constituição, destacam-se os gastos astronômicos com pensões e inativos do setor militar.

De acordo com o orçamento governamental de 2019, o custo de pensionistas ao Ministério da Defesa foi de R$23,8 bilhões. Dentre os beneficiários, estão cerca de 103 mil filhas de militares, que possuem o direito de receber uma pensão vitalícia enquanto “solteiras”, de acordo com a Lei número 3.765, aprovada em 1960. A preocupação das Forças Armadas com as herdeiras de seus membros é tão grande que, por mais incrível que pareça, existem 17 mulheres que recebem auxílio devido a serem descendentes de homens que lutaram durante a Guerra do Paraguai, entre 1864 e 1870.

Estima-se que apenas no período entre 2004-2013, o custo pago pela União para manter as filhas de militares saltou de 5,4 bilhões para 10,3 bilhões. Um dos fatores determinantes desse custo crescente é o fato de muitas destas mulheres burlarem a constituição não declarando suas uniões estáveis, já que o texto constitucional prevê o benefício apenas para filhas solteiras.

Os exemplos são vários, a famosa atriz Maitê Proença, que atualmente possui 63 anos, ainda recebe uma pensão mensal equivalente a R$24,6 mil. Ela chegou a ser processada e ter o benefício negado devido a acusação de possuir uma união estável com o empresário Paulo Marinho, com o qual viveu durante 12 anos e teve uma filha.

IMPOSTO SOBRE IMPOSTO

Em tramitação desde 1998 no STF, o julgamento relativo à incidência ou não incidência de ICMS na base de cálculo do PIS e da Cofins retrata o quão ineficiente e complexo é o sistema tributário brasileiro.

Em 2017, 19 anos após o início do julgamento, a tese foi finalmente fixada após diversos julgamentos e mudanças na composição da Corte, afirmando que O ICMS não compõe a base de cálculo para fins de incidência do PIS e da Cofins”. Com isso, tecnicamente a União perdeu, mas não se conformou com isso e pediu a modulação dos efeitos, alegando que o impacto dessa decisão pode ter.

De fato, o próprio documento referente ao julgamento relata que a mudança da diretriz orçamentária causaria um impacto de R$250.3 bilhões de reais na arrecadação pública. E com essa premissa, Carmen Lúcia aceitou a modulação e o julgamento que já dura 19 anos se estende até os dias atuais.

Marcada para 29 de abril de 2021, o julgamento da chamada “tese do século” se estende de acordo com a pressão cada vez mais crescente exercida sobre o governo para o estabelecimento de uma reforma tributária. 

Tudo sobre blockchain, investimentos e economia.

Assine a nossa newsletter

BLOCKTRENDS

Assine Grátis nossa Newsletter e acompanhe as tendências sobre blockchain, investimentos e economia.

R$10 MILHÕES POR RÓTULO DE PRODUTO

Figurando mais um dos casos bizarros do Procon, a bola da vez foi a Nestlé. Em uma decisão apresentada em outubro de 2020, a Nestlé brasileira foi multada em mais de 10 milhões por desrespeitar uma regra de rotulagem. Segundo o Procon, a empresa desrespeitou a regra de rótulo estabelecida pela Anvisa, que prevê que o ingrediente de maior presença no alimento esteja listado em primeiro lugar no rótulo.

O produto em questão foi o cereal matinal Crunch Nestlé, em sua versão de 330 gramas. O valor exato da multa foi de R$10.225.569,96, e o Procon alegou que o valor foi calculado tendo como base o “porte econômico da empresa e a gravidade da infração”.

Pelo outro lado, a Nestlé informou que irá recorrer na justiça perante à decisão e declarou que: “atende rigorosamente a todos os requisitos legais, incluindo os referentes à rotulagem, e reconhece a importância do rótulo para a clareza de informações e educação do consumidor.”.

 O PROCESSO QUE DUROU 125 ANOS

O famoso Palácio Guanabara, localizado no bairro de Laranjeiras, zona sul da cidade do Rio de Janeiro, foi alvo de uma disputa judicial que se iniciou em 1895. O processo foi movido inicialmente pela então princesa Isabel, que junto com seu marido, o conde d’Eu, questionavam a posse do imóvel pela família imperial brasileira.

A família imperial alegava que o Palácio teria sido construído exclusivamente para a habitação do conde e Princesa, com recursos vinculados ao Tesouro Nacional. Com a morte da Princesa e então a queda da monarquia, o processo perdurou sendo guiado pelos descendentes da família Orleans e Bragança. De modo que, somente em 2020, 125 anos após seu início, o STF negou a posse à família imperial.

Como justificativa da decisão, a ministra Rosa Weber declarou: “Com a proclamação e a institucionalização da República, as circunstâncias fundamentais que justificavam a manutenção da posse do palácio deixaram de existir, tendo em vista que foram extintos os privilégios de nascimento, os foros de nobreza, as ordens honoríficas, as regalias e os títulos nobiliárquicos”

A TRIBUTAÇÃO DO CROCS

No dia 29 de agosto de 2017 o CARF (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais) teve a difícil tarefa de determinar se os famosos calçados “Crocs” deveriam ser definidos como sandália ou sapato.

A companhia Crocs Brasil Comércio de Calçados Limitada iniciou o processo jurídico quando foi orientada por um auditor fiscal a alterar a classificação fiscal das mercadorias importadas para o país. Um ano após a mudança a empresa foi multada e cobrada a pagar o direito antidumping que segundo as autoridades não teria sido pago anteriormente.

Tudo sobre blockchain, investimentos e economia.

Assine a nossa newsletter

BLOCKTRENDS

Assine Grátis nossa Newsletter e acompanhe as tendências sobre blockchain, investimentos e economia.

Segundo a classificação tributária, a alíquota para sandálias e sapatos é 0%. Porém o valor cobrado na multa foi referente às diferenças de valores dos direitos antidumping das duas classificações.

O tema foi julgado pela 1ª turma da 3ª Câmara da 3ª Seção do CARF, que deu parecer favorável à empresa, julgando o crocs como uma “sandália de borracha”. Desta forma a multa foi cancelada pois a empresa teria sido induzida ao erro.

ACIDENTE DOMÉSTICO PODE SER CONSIDERADA ACIDENTE DE TRABALHO

Uma decisão realizada pela Justiça do Trabalho em meados de 2015 coloca em cheque as leis trabalhistas existentes para o home office. Na ocasião, os juízes consideraram a queda de uma funcionária da Avon Cosméticos na escada de sua própria residência como um acidente de trabalho. Segundo a funcionária, ela estava saindo para um trabalho externo quando caiu e fraturou o pé.

O caso foi julgado pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT) do Pará, que deu parecer favorável à funcionária. A Avon recorreu ao Tribunal Superior do Trabalho (TST), porém os ministros mantiveram a decisão do TST de condenar a empresa a pagar o valor de R$20 mil por danos morais, além de pagar os salários referentes ao período de 12 meses que, segundo o tribunal, deveria ter sido considerado como período de estabilidade em virtude do acidente.

4 TRIBUTAÇÕES DISTINTAS SOB A FEIJOADA

Indo na contra-via dos bons exemplos de sistemas tributários mundiais, o Brasil cada vez mais se afunda em diversas mudanças de alíquotas sobre produtos específicos. Mudanças essas que implicam em diferentes formas de tributação em produtos que são considerados como “iguais”.

O exemplo mais claro que evidencia o manicômio tributário no qual vivemos é o caso da feijoada. Atualmente a alíquota da feijoada varia de acordo com a quantidade de carne de porco presente na receita e sua origem (pois o ICMS tem origem estadual). A carne de porco por si só paga 12% de ICMS, com crédito de ICMS passa para 7%, já a carne salgada paga 18%, com crédito passa para 11%.


Para se manter atualizado, siga a QR Capital no Instagram e no Twitter.

cool good eh love2 cute confused notgood numb disgusting fail