Tecnologia

‘Zuck Bucks’: Meta deve lançar moedas e tokens

Após abandonar o projeto de sua própria criptomoeda, chamada Diem, a Meta está desenvolvendo novamente moedas virtuais e tokens de utilidade.

Há 2 meses, a Meta anunciava a dissolução completa de seu projeto de criar uma stablecoin chamada ‘Diem’. Com uma subsidiária voltada para o desenvolvimento da criptomoeda, a Diem Association vendeu suas operações por $200 milhões para o Silvergate Bank.

Entre diversos imbróglios regulatórios que cercaram o projeto, a Meta desistiu da empreitada, mas ao que parece, não desistiu completamente da ideia de implementar moedas correntes e tokens em suas plataformas.


De acordo com um novo relatório do Financial Times, a empresa controladora do Facebook e do Instagram moveu seus desenvolvedores para criação de uma própria moeda virtual, apelidada de ‘Zuck Bucks’, pelos funcionários da empresa.

A moeda em questão não se encaixa dentro do conceito de uma criptomoeda, atuando com uma rede centralizada por trás, sendo uma estrutura paralela a moedas como o Robux, da Roblox, e aos V-Bucks, da Epic Games. 

Além disso, a Meta também está analisando a criação de ‘’tokens sociais’’ e ‘’tokens de reputação’’, que podem ser emitidos como recompensas à contribuições de usuários que atuam como criadores de conteúdo dentro de grupos do Facebook. 

Mark Zuckerberg diz que tem uma grande visão para o futuro

O termo metaverso surgiu na década de 1990 em um romance de ficção científica, intitulado como Snow Crash, onde serviu como um sucessor de realidade virtual para a então nascente internet, onde as pessoas viviam grande parte de suas vidas em ambientes virtuais. 

Inspirado na obra literária, o jogo Second Life atingiu seu pico no final dos anos 2000, com milhões de usuários e centenas de manchetes sobre pessoas que diariamente dedicavam longas horas para viver digitalmente. 

Mais de 30 anos após o lançamento do livro escrito por Neal Stephenson, o termo metaverso voltou à tona com a 7° maior empresa do mundo, o Facebookrealizando um gigantesco esforço para ressignificar sua marca no mercado, utilizando como chave central o “metaverso”. 

A nova aposta do Facebook, exibe a clara e desesperada tentativa de reinventar a empresa, por um motivo óbvio: o ódio contra a marca criada por Zuckerberg

As pessoas gostam de odiar a ideia porque o Facebook (agora Meta), e especialmente Mark Zuckerberg, mas seria tolice sugerir que essa é a única razão do rebranding da empresa.

Para continuar lendo a matéria, clique aqui.

Notícias relacionadas

Quer aprender a investir em criptoativos na bolsa, de forma prática e inteligente? Nós preparamos um curso gratuito com o passo a passo. Clique aqui para acessar.
Problemas de liquidez afetam 4 plataformas cripto Torcidas brasileiras de futebol irritam jornais argentinos com piada Quanto ganham os executivos de empresas estatais 5 bancos que já revisaram o PIB brasileiro para cima em 2022 Como era o Brasil no ano da conquista do penta