Tecnologia

Facebook quer cobrar 47% de imposto sobre vendas no metaverso

Divulgando sua nova rede de comércio no metaverso, a empresa planeja estabelecer uma taxa de 47% sobre vendas de produtos virtuais.

Já se passaram quase seis meses desde que o antigo Facebook mudou seu nome para Meta, acenando para suas ambições diante da criação de seu próprio metaverso.

Nesta segunda-feira (13), a empresa divulgou detalhes sobre como planeja monetizar seu aplicativo do metaverso Horizon Worlds, iniciando uma fase de testes que permitirá que alguns criadores vendam itens do mundo aos usuários.

Para cada item vendido no Horizon Worlds, um corte de 30% vai para o Meta através da plataforma Oculus e 25% do valor restante vai para a Meta App Store. 

Isso é mais do que a taxa de 30% da App Store da Apple, frequentemente criticada, e muito maior do que os traders de NFT estão acostumados.  

No espaço NFT, o mercado OpenSea recebe uma fatia de 2,5% de cada transação, e os criadores normalmente ficam entre 2,5% e 7,5%.

Os itens vendidos pela Meta não são registrados como NFTs, se aproximando mais com skins e animações disponíveis no meio virtual, como o que ocorre em plataformas de jogos centralizados, como Fortnite. 

Zuck Bucks’: Meta deve lançar moedas e tokens

Há 2 meses, a Meta anunciava a dissolução completa de seu projeto de criar uma stablecoin chamada ‘Diem’. Com uma subsidiária voltada para o desenvolvimento da criptomoeda, a Diem Association vendeu suas operações por $200 milhões para o Silvergate Bank.

Entre diversos imbróglios regulatórios que cercaram o projeto, a Meta desistiu da empreitada, mas ao que parece, não desistiu completamente da ideia de implementar moedas correntes e tokens em suas plataformas.

De acordo com um novo relatório do Financial Times, a empresa controladora do Facebook e do Instagram moveu seus desenvolvedores para criação de uma própria moeda virtual, apelidada de ‘Zuck Bucks’, pelos funcionários da empresa.

A moeda em questão não se encaixa dentro do conceito de uma criptomoeda, atuando com uma rede centralizada por trás, sendo uma estrutura paralela a moedas como o Robux, da Roblox, e aos V-Bucks, da Epic Games. 

Além disso, a Meta também está analisando a criação de ‘’tokens sociais’’ e ‘’tokens de reputação’’, que podem ser emitidos como recompensas à contribuições de usuários que atuam como criadores de conteúdo dentro de grupos do Facebook. 

Notícias relacionadas

Quer aprender a investir em criptoativos na bolsa, de forma prática e inteligente? Nós preparamos um curso gratuito com o passo a passo. Clique aqui para acessar.
Problemas de liquidez afetam 4 plataformas cripto Torcidas brasileiras de futebol irritam jornais argentinos com piada Quanto ganham os executivos de empresas estatais 5 bancos que já revisaram o PIB brasileiro para cima em 2022 Como era o Brasil no ano da conquista do penta