Notícias

Google, Facebook e Microsoft são uma ameaça ao metaverso segundo co-fundador da Sandbox

Idealizada para ser uma nova infraestrutura para a web, o metaverso coloca de lados opostos grandes corporações e entusiastas cripto.

Uma olhada no ranking de maiores empresas do mundo em 2021, quando comparadas aos anos 2000, mostra uma tendência inequívoca: as gigantes de tecnologia deixaram para trás velhas indústrias.

Apple, Microsoft, Google, Facebook e Amazon, conhecidas como “FAANG”, valem hoje o equivalente a $9 trilhões de dólares, cerca de ⅓ da bolsa americana.

Após quase 15 anos da massificação do uso da internet, cuja infraestrutura se tornou sinônimo destas 5 empresas, uma nova tendência promete colocar, enfim, um desafio em empresas consideradas “imparáveis”.

A “Web 3.0” cuja natureza está na descentralização, promovida por infraestruturas como a blockchain, tem ganhado adeptos, e principalmente: defensores.

A ideia é que a organização da Web como conhecemos mude radicalmente, com menos poder para organizações como as próprias corporações de tecnologia.

Do lado de lá, Facebook e Google já mostraram enorme interesse em conduzir essas mudanças, sem a parte descentralizada, é claro.

O próprio Facebook, agora adota o nome de “Meta”, buscando integrar suas redes sociais como óculos de Realidade Aumentada e Realidade Virtual, uma parte até então pequena da empresa, mas que agora é o alvo prioritário de investimentos que podem chegar a $10 bilhões.

Para Sebastian Borget, COO da The SandBox, uma plataforma digital organizar formada de um “mundo aberto”, com cerca de 30 mil usuários ativos mensais, a grande vantagem das estruturas descentralizadas é sua governança.

Ao contrário de algoritmos como os que guiam as decisões do Twitter, Facebook ou Instagram, o algoritmo de redes como Sandbox e Descentraland, são públicos e transparentes.

A descentralização e transparência dos códigos que guiam as plataformas poderia impedir, por exemplo, a existência de casos como o da Cambridge Analytica, a consultoria inglesa que teve acesso aos desafios de pelo menos 87 milhões de usuários, se utilizando disto para direcionar conteúdo político.

O caso, que levou o Facebook a pagar uma multa de $5 Bilhões, é mais um dentre inúmeros vazamentos registrados e que demonstram os problemas de redes fechadas, sujeiras a hacks sociais.

Ao contrário do Facebook, por exemplo, a lógica da The SandBox é permitir que os usuários possam migrar de plataformas levando consigo todas as skins e dados que produziram ou acumularam ao longo do jogo, sem portando deixar nas mãos de terceiros seus dados, ou sem ser boicotado caso saia da plataforma.

Para a Microsoft, a lógica vai além do ambiente de sociabilidade das redes sociais, com a gigante fundada por Bill Gates interessada em criar escritórios virtuais dentro do seu Microsoft Teams.

CEO da Tesla, Elon Musk é outro que tem se manifestado sobre a briga, mas ao contrário, acredita que a ideia de uma realidade virtual pautada por infraestrutura como os óculos que o Facebook pretende adotar, são uma ideia sem sentido.

Musk também é investidor da Neuralink, uma companhia focada em Chips que promovem a interação entre o cérebro humano e máquinas.

No que depender da sua vontade, a ideia é testar em humanos já em 2022.

Quem vencerá a disputa é ainda cedo para saber, mas no momento, a indústria de Criptos e NFTs já tem ganhado escala, ainda que baixa considerando o tamanho das Big Techs. Em 2021, NFTs, a base da utilização dos Metaversos descenttalozados, movimentaram ao menos $22 bilhões. 

Quer aprender a investir em criptoativos na bolsa, de forma prática e inteligente? Nós preparamos um curso gratuito com o passo a passo. Clique aqui para acessar.
Conheça as 6 moedas que permanecem no Top 20 das maiores criptos desde 2017 Em um mês Nubank perde um terço do valor de mercado Como dois brasileiros de 22 anos fizeram uma empresa de R$78 bilhões Microsoft compra Blizzard na maior aquisição de sua história Alguém encontrou um Bitcoin minerando sozinho em casa