Investimentos

ETF que aposta na queda do bitcoin cresce 300% e atinge R$ 417 milhões

BITI é o segundo maior fundo de investimentos voltado para a criptomoeda no mercado norte-americano

A queda do bitcoin no mercado está beneficiando o fundo de investimentos BITI. O ETF, criado recentemente pela ProShares, cresceu mais de 300% na última semana, de acordo com a Arcane Research.

No total, a exposição líquida do ETF BITI ultrapassou 3,8 mil unidades de bitcoin. Considerando a cotação da criptomoeda nesta quarta-feira (6), o fundo possui R$ 417 milhões.

O ETF BITI é o primeiro fundo com 100% de exposição ao bitcoin que aposta na desvalorização da criptomoeda. Dessa forma, o mercado em queda pode contribuir para aumento da adesão de investidores ao fundo.

BITI cresce no mercado cripto

Lançado oficialmente no dia 21 de junho de 2022, o ETF está aumentando consideravelmente o volume de sua exposição líquida no mercado. Em apenas quatro dias, o fundo cresceu 306%.

Até o dia 27 de junho, por exemplo, o volume do ETF BITI da ProShares era inferior a mil unidades de bitcoin. Naquele dia, o fundo registrou uma exposição líquida de 938,66 bitcoins.

Mas, desde o seu lançamento no dia 21, a exposição líquida do fundo de investimentos continua crescendo. No primeiro dia de operações, o ETF BITI conseguiu atingir um volume de US$ 35 milhões em transações, o que representa 850 mil cotas negociadas.

O ETF BITI representa um fundo de investimentos com exposição ao bitcoin totalmente regulado pelo mercado financeiro. Dessa forma, as operações dele acontecem na bolsa de valores de Nova York.

Imagem: Arcano Research

A exposição líquida de R$ 417 milhões no dia 1º de julho fez ainda com que o ETF BITI atingisse o segundo lugar no ranking dos maiores fundos de investimentos voltados para o bitcoin nos EUA, diz a Arcano.

“Com as entradas na semana passada, o BITI é inquestionavelmente o segundo maior ETF de BTC nos EUA, aumentando a diferença para Valkyrie e VanEck.”

Desvalorização também impulsiona ETF QBTC


A desvalorização da cotação do bitcoin também impulsiona a adoção de fundos como o ETF QBTC11, criado pela QR Asset. Investidores enxergam na criptomoeda uma oportunidade de longo prazo, acreditando na recuperação do preço.

Assim como o BITI, o QBTC11 registrou aumento no patrimônio líquido de bitcoins. Agora, o fundo da QR Asset possui mil unidades do criptoativo sob custódia, o que representa mais de R$ 110 milhões.

Preço do bitcoin aumenta exposição do fundo


O aumento da exposição líquida do ETF BITI aconteceu logo após duas grandes entradas no fundo. O relatório da Arcane mostra que essas operações foram registradas nos dias 29 e 30 de junho.

A primeira transação corresponde a 1.684 bitcoins, que atualmente valem mais de R$ 186 milhões no mercado. Enquanto isso, a segunda operação movimentou 700 unidades da criptomoeda, ou seja, cerca de R$ 77 milhões.

Sendo assim, essas duas operações foram responsáveis por aumentar a exposição líquida do ETF BITI em R$ 263 milhões, portanto, um acréscimo de 63% no volume total custodiado pelo fundo de investimentos que aposta na desvalorização do bitcoin.

Notícias relacionadas

Quer aprender a investir em criptoativos na bolsa, de forma prática e inteligente? Nós preparamos um curso gratuito com o passo a passo. Clique aqui para acessar.
Faraó do Bitcoin declara R$60 milhões em campanha política Brasil volta a crescer e PIB sobe 0,69% em junho Quanto os bilionários brasileiros já perderam em 2022 Como o Flamengo saiu da falência para o maior orçamento do Brasil Inflação mensal na Argentina supera a anual no Brasil em Julho