Participe da
Comunidade Ícone Whatsapp
Economia

Depois dos EUA, Alemanha também ruma para uma recessão

Análise do instituto de pesquisas alemão Ifo, aponta para uma recessão como cenário provável na maior economia europeia.

Após elevar a taxa de juros pela primeira vez desde 2011, o Banco Central Europeu agora se prepara para um possível cenário de recessão, a começar pela maior economia europeia, a Alemanha.

O motivo remonta ao início de 2022, com a queda drástica na oferta de gás por parte da Rússia. A economia alemã dependia, antes do início do conflito entre Rússia e Ucrânia, de ao menos 49% do seu fornecimento de gás vindo da Rússia.

Entre na comunidade BLOCKTRENDS PRO com 15% OFF e receba +30 cursos, análises diárias, relatórios semanais, lives e mais.

Agora, em meio a chegada do inverno, o país luta para levar adiante o gasoduto Nord Stream 2, com a Rússia, na figura do próprio Putin, adiantando que, ainda que o gasoduto estivesse pronto amanhã, não significaria retomada total de fornecimento de gás por parte da Rússia.

A alta no preço do Kwh de energia na Alemanha chegou a 600%, entre março de 2020 e junho de 2022, saindo de $47 dólares para $330 dólares por KWh, em boa medida graças ao preço do gás.

Agora, em meio a dependência de fontes externas de energia, a Alemanha vê um arrefecimento no clima e ambiente de negócios, com a confiança da Indústria caindo a níveis de 2008. 

No outro lado do atlântico, também sofrendo com a maior inflação desde o início dos anos 80, a economia americana também vê sinais de recessão. Um modelo feito pelo FED de Atlanta, a filial do banco central americano, aponta para uma recessão no segundo trimestre de 2022, o que se configura como uma recessão técnica, dados os 2 trimestres seguidos de queda.

Ainda que esteja com sinais de recessão, a economia americana tem visto o fortalecimento do dólar frente a outras moedas globais, como o iene japonês e o euro. O Real, porém, segue com uma alta de 2,4% no ano.

Tendo antecipado a alta de juros já em 2021, o Brasil vê uma inflexão na inflação ocorrendo antes do resto do mundo. A alta de commodities no início do ano, a despeito da alta no preço dos combustíveis, também colaborou para uma melhora na economia brasileira. 

Na prática, ao menos neste primeiro semestre, o Brasil segue uma tendência inversa ao resto do mundo. Por aqui, economistas preveem que o impacto de uma crise nos EUA e Europa, além da desaceleração no crescimento chinês, possa pesar na economia brasileira, diminuindo o ritmo de crescimento no segundo semestre. 

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na melhor corretora de traders de criptomoedas. Acesse ByBit.com

Notícias relacionadas