Blockchain

Há 9 anos o Bitcoin se tornava um unicórnio

Há exatos 9 anos atrás, com uma cotação aproximada de $85, o Bitcoin atingiu a capitalização de $1 bilhão, se tornando um unicórnio

Foi no dia 29 de março de 2013 que o valor de mercado do Bitcoin ultrapassou pela primeira vez a marca de $1 bilhão de dólares. Naquele momento, a primeira criptomoeda da história era cotada a uma média de $85.

O evento, que na gíria do mercado tornaria o Bitcoin um ‘’unicórnio’’, foi coberto pelo cofundador da Ethereum, Vitalik Buterin, um então desconhecido redator da Bitcoin Magazine.

Nos 9 anos seguintes o Bitcoin passaria por uma valorização nunca antes vista pelo mercado financeiro, e sua capitalização de mercado cresceria em 91.100% e sua cotação cresceria 56370588235294%.

A capitalização de mercado do Bitcoin está atualmente em $902 bilhões e seu ativo subiu cerca de 15% na semana passada, sendo negociado em $48 mil.

O que é o Bitcoin?

O Bitcoin é a primeira e maior criptomoeda do sistema financeiro global e traz consigo uma estrutura caracterizada principalmente pela sua altíssima complexidade. Mesmo assim, entender o Bitcoin e seus propósitos não é uma tarefa difícil.

De forma simples, o Bitcoin nada mais é do que um protocolo que fornece a possibilidade de criação de uma carteira digital que move dinheiro de forma totalmente virtual. 

A partir dele, você pode armazenar e transacionar valor de forma ponto a ponto (P2P), sem a necessidade de terceiros para auxiliar na realização da transação, como ocorre no mundo financeiro tradicional. 

A essência da rede se dá pela sua descentralização e por ser um código aberto, qualquer pessoa pode ter acesso ao livro razão do Bitcoin, onde todos os saldos de todos os endereços da rede constam (de forma totalmente criptografada).

A criptomoeda se posiciona como uma alternativa anti-inflacionária ao dinheiro fiduciário, pois é determinada, pelo próprio protocolo da rede, que existirá uma quantidade fixa de Bitcoins (21 milhões de unidades). 

Ele é chamado de ‘’criptomoeda’’ devido ao uso de criptografia para garantir um nível aceitável de privacidade para todo e qualquer usuário da rede, mesmo assim, as transações e movimentações deixam registros que podem ser rastreados (mesmo que de forma complexa).

Notícias relacionadas

Quer aprender a investir em criptoativos na bolsa, de forma prática e inteligente? Nós preparamos um curso gratuito com o passo a passo. Clique aqui para acessar.