Economia

Uma péssima notícia para você: o mundo perdeu 87 bilionários em 2021

A edição deste ano da Forbes trouxe uma péssima notícia: o número de bilionários no mundo caiu

O recorde de bilionários na lista da Forbes em 2021, em plena pandemia, chocou inúmeras pessoas alheias ao modo como a lista é produzida.

Não foram poucos os que apontaram o aumento do número de bilionários e de suas fortunas como consequência direta para o empobrecimento da população global no mesmo período (no caso, 2020, tendo em vista que a edição se refere ao ano anterior).

Termos como exploração, desigualdade e tantos outros pipocaram nas análises. 

Em 2022, porém, a lista contou com outro dado surpreendente: a maior perda de bilionários desde a crise de 2008.

Ao todo, o planeta viu desapareceram 329 bilionários. A maior parte em áreas como tecnologia. 

E o motivo de tamanha volatilidade pode ser sentido diretamente por você.

Primeiro, claro, é importante dizer que a lista considera bens como ações, imóveis e dinheiro recebido em formas de dividendos. 

Na prática, para ser um bilionários é preciso “apenas” ter uma participação em uma empresa pública (listada em bolsa), superior a $1 bilhão.

Ainda que você nunca tenha vendido qualquer ação, ou mesmo chegado perto de receber $100 milhões na conta, é possível ser considerado um bilionário.

E a razão disso está intimamente ligada a como funcionam os mercados.  

Em resumo, a bolsa calcula o preço de uma ação em relação ao quanto esta ação poderá entregar ao seu detentor ao longo do tempo. Já o valor da empresa é o valor de 1 ação VS todas as ações da empresa.

Complicado? Nem tanto. 

Imagine que uma empresa gere de dinheiro pra si mesma R$10 por ano. Esse valor é chamado de “ebitda” (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização).

Se essa empresa está em um setor tradicional, como uma mineradora, é provável que os investidores pagarão 8-10 vezes este valor pela empresa. Assim, uma empresa que gere R$100 milhões por ano, vale R$1 bilhão.

Se a empresa está em um setor de crescimento elevado, como tecnologia, ela pode valer 30, 40, 50 vezes este valor.

É por essa mágica que as ações de tecnologia criam tantos “bilionarios”.

Em determinado momento, graças a sua política de não lucrar, mas sim gerar caixa e reinvestir, a Amazon chegou a valer 200 vezes o seu lucro.

Parece loucura, mas os investidores pagavam pela empresa o equivalente a 200 anos de lucro.

Isso, claro, pois o crescimento da empresa é elevado. 

Foi basicamente assim que Elon Musk e Jeff Bezos se tornaram os mais ricos do mundo.

E foi assim que centenas de bilionários surgiram no mundo. 

Em 2021, porém, inúmeros deles foram afetados por questões como regulação, com o governo chinês criando restrições e diminuindo o alcance de empresas de tecnologia, ou guerras (como o caso da guerra entre Rússia e Ucrânia).

A inflação também gerou bilionários a menos, afinal, com pessoas consumindo cada vez menos, empresas vendem menos e perdem valor. 

A alta de juros em países emergentes, que diminui e encarece o crédito, também pesou. 

São inúmeros fatores que implicam em uma questão central: investidores em diversas áreas acreditam que as empresas irão crescer menos nos próximos anos. O resultado? Valor de mercado menor.

Quando os investidores acreditam que as empresas irão crescer mais no futuro, como foi o caso durante a pandemia quando a queda nas taxas de juros e aumento do crédito melhorou a situação futura das empresas, o resultado é um só: mais bilionários surgindo. 

Quando o custo financeiro aumenta e o consumo cai, o resultado é este: menos bilionários. 

Você provavelmente não está nem próximo de integrar a lista da Forbes, ou ainda dizer por aí que bilionários não deveriam existir, mas é certo que,  a queda do número de bilionários só mostra que a vida ficou mais difícil pra você, consumidor.

Notícias relacionadas

Quer aprender a investir em criptoativos na bolsa, de forma prática e inteligente? Nós preparamos um curso gratuito com o passo a passo. Clique aqui para acessar.
Problemas de liquidez afetam 4 plataformas cripto Torcidas brasileiras de futebol irritam jornais argentinos com piada Quanto ganham os executivos de empresas estatais 5 bancos que já revisaram o PIB brasileiro para cima em 2022 Como era o Brasil no ano da conquista do penta