Destaques

O YouTuber que foi dono de $620 bilhões por 7 minutos

Um detalhe técnico típico do valuation de empresas de risco fez do youtuber britânico Max Fosh o homem mais rico do mundo por alguns minutos.

Com um patrimônio equivalente ao triplo de Elon Musk, o youtuber britânico Max Fosh se tornou a pessoa mais rica do mundo, por 7 longos minutos.

Com 920 mil inscritos em seu canal, o britânico criou um curioso plano para se tornar, no papel, o homem mais rico do mundo, expondo toda sua estratégia em um vídeo no youtube.

Criando uma empresa no Reino Unido chamada ‘Unlimited Limited Money’, Fosh registrou a companhia de forma legal seguindo os protocolos de legislação do governo, emitindo exatas 10 bilhões de ações para a empresa.

Após ser registrada, Fosh seguiu com seu plano e se dirigiu ao distrito financeiro de Londres, onde ele tinha a missão de vender 1 ação da empresa por £50.

Entre vários pitchs, uma mulher acabou aceitando a oferta e adquiriu uma ação da empresa pelas £50, o que, tornava a Unlimited Limited Money uma das maiores empresas do mundo, uma vez que seu valor de mercado se tornava superior a $624 bilhões.

Em busca do veredito, Fosh articulou a última etapa de seu plano, contratando uma agência financeira para calcular o valor de mercado da empresa de forma legal.

No relatório de resposta, a agência avaliadora revelou que a Unlimited Limited Money tinha de fato uma capitalização de mercado de £500 bilhões ($624 bilhões), porém, aconselhou que Fosh dissolvesse a empresa o mais rápido possível, uma vez que aquele tipo de movimentação poderia lhe render um processo por atividade fraudulenta.

Dito e feito, sete minutos após receber a documentação, Fosh dissolveu toda a companhia e perdeu seu patrimônio fictício de mais de $600 bilhões de dólares. 


Na prática a estratégia de Fosh, de auferir o valor total da empresa por meio da venda de uma fração, é bastante similar à praticada por empresas de “VC”, ou Venture Capital. 

O valor de mercado de uma empresa como o Nubank antes do IPO, a SpaceX ou a Bytedance (dona do Tiktok), pode mudar em dezenas de bilhão graças a um aporte de uma fração do valor.

Entre janeiro e julho de 2021, o Nubank saltou de uma avaliação de $25 bilhões para $30 bilhões, após receber um aporte de $450 milhões.

Neste ano, a SpaceX de Elon Musk, captou $1,9 bilhão, o suficiente para fazer o valor da empresa saltar de $100 para $125 bilhões.

A prática é legal, claro, e serve como parâmetro uma vez que o comprador se uma fração está promovendo uma nova avaliação da empresa.

Isso permite com que detentores de participações anteriores a nova oferta possam lucrar, ainda que no papel.

Ainda assim, as avaliações privadas precisam ser testadas, via de regra por meio de IPOs, ou seja, abertura de capital na bolsa, e como novamente o Nubank pode servir de exemplo, o valor pago em captações privadas, como a de Fosh,  pode ser um pouco exagerado.

Notícias relacionadas

Quer aprender a investir em criptoativos na bolsa, de forma prática e inteligente? Nós preparamos um curso gratuito com o passo a passo. Clique aqui para acessar.
Problemas de liquidez afetam 4 plataformas cripto Torcidas brasileiras de futebol irritam jornais argentinos com piada Quanto ganham os executivos de empresas estatais 5 bancos que já revisaram o PIB brasileiro para cima em 2022 Como era o Brasil no ano da conquista do penta