Participe da
Comunidade Ícone Whatsapp
Notícias

Empresas russas listadas em Londres já perderam $570 bilhões

Em meio a sanções impostas à Rússia, empresas do país listadas na bolsa de Londres já perderam $570 bilhões de dólares em valor de mercado.

Com cerca de 80 mil agências, o sistema de poupança soviético foi um dos primeiros alvos das reformas que tomaram conta do país na década de 80, a Perestroika.

Por decisão do governo, os bancos foram agrupados em entidades menores, primeiro ligadas a cada uma das repúblicas soviéticas, e então as províncias. No fim, o sistema passou a se chamar “Sberbank”, uma entidade de economia mista.

Ainda que o Fundo Soberano Russo, detenha 50,01% do capital, a empresa é controlada de maneira privada, por oligarcas de confiança do próprio presidente russo, Vladimir Putin.

Herman Gref, o CEO do Sberbank, é considerado um “moderado” e reformista no Kremlin. Foi dele que partiu a ideia de internacionalizar o banco, que hoje opera em uma dezena de países.

Até semana passada, quando começaram as sanções, como a retirada da rússia do SWIFT, Herman comandava um banco com 100 milhões de clientes e 61% do mercado russo, cujo valor de mercado, de $160 bilhões de dólares, era maior do que a soma das brasileiras Petrobras e Vale.

Agora, Herman luta para impedir o colapso do banco, cujas ações caíram 95%, em uma única semana.

Outras empresas russas, como Lukoil (-81,5%), Gazprom (-71,2%), Rosneft (-72,1%), Novatek (-85%), também encabeçam a lista de maiores perdas de valor de mercado.

As preocupações de investidores são inúmeras. Apenas nesta semana, o governo russo já restringiu as saídas de capital, e as maiores operadoras de contêineres do mundo anunciaram que irão deixar de operar na Rússia.

Maersk, MSC, ONE e Hapag Lloyd respondem por 47% do comércio marítimo mundial feito com contêineres, o que significaria, na prática, isolar a Rússia do comércio mundial.

A perda de valor de mercado de $570 bilhões, pode ser considerada apenas “no papel”, ainda assim, especialmente no caso de bancos, afetam a solvência dos mesmos.

Russos têm promovido uma corrida bancária para resgatar ativos em meio a uma queda de 30% no rublo. Na outra ponta, as pesquisas por Bitcoin, um ativo alheio a sanções globais têm disparado.

Apenas nesta terça-feira o Bitcoin subiu 16,17% em meio ao colapso do sistema financeiro russo.

A preocupação também ocorre em função do aumento na taxa de juros, que saiu de 9,5% para 20% em uma única reunião, afetando diretamente os custos das empresas, que agora terão de arcar com juros maiores e incerteza sobre as vendas de produtos.

As incertezas também afetam projetos globais de empresas russas. O consórcio responsável pela construção do gasoduto Nord Stream 2, que levaria 55 bilhões de m3 de gás por ano para a Alemanha, decretou falência na medida em que o gasoduto de $13 bilhões teve seu aval de funcionamento negado.

O projeto em questão conta com a participação da Gazprom (51%), e empresas alemãs, holandesas e francesas.

A Gazprom também enfrenta ceticismo por parte da BP, sua maior acionista fora da Rússia, e que anunciou que pretende “se livrar” da participação, ainda que não tenha explicado como irá deduzir um ativo de $25 bilhões do seu balanço.

A Gazprom é responsável por ⅔ das reservas e ⅓ da produção da BP, uma empresa de $97 bilhões. Ainda assim, o risco de contágio global ainda parece improvável.

Na outra ponta, as commodities têm visto uma alta significativa, com o petróleo batendo $110 por barril, o maior valor desde 2013, e o trigo saindo de $847 para $1100 a tonelada em 2 dias.

O temor, no caso, é de que a crise na Rússia possa afetar duramente a inflação ao redor do mundo, além de restringir a oferta de bens como fertilizantes.

O FED já anunciou que deverá reduzir o número de altas de juros no mundo, um sinal de que a inflação poderá continuar elevada.

Clique aqui e inscreva-se agora em nosso canal do YouTube e fique por dentro das últimas novidades em cripto.

Notícias relacionadas



Warren Buffett sorteia Bitcoin no TikTok, mas óbvio que é golpe com DeepFake Brasil quer cobrar direito autoral da Amazon pelo uso do nome Há 10 anos, um universitário recebeu 22 Bitcoins após viralizar na TV Golpistas usam deepfake do Elon Musk para pedir doações em cripto; e conseguiram US$165 mil MPSC Bloqueia R$27,4 Milhões de Empresa Suspeita de Pirâmide Financeira