Investimentos

Como Goldman Sachs deixou de ganhar $115 bilhões com o Alibaba

Em meados de 2004, o Goldman Sachs vendeu uma participação de 50% no Alibaba por $22 milhões, hoje a participação valeria mais de $115 bilhões.

Há 23 anos atrás, Shirley Lin, uma então executiva do Goldman Sachs, assinava junto a Jack Ma a compra de uma participação de 50% do Alibaba por $5 milhões. 

O Alibaba, não era muito na época, sendo considerado como uma das várias empresas que buscavam utilizar a internet para as mais diversas finalidades, surfando na crescente onda digital.

Em fato, a cúpula asiática do Goldman Sachs não se interessava muito pela startup de Jack Ma, carregando um acordo aos trancos que só aconteceu com a entrada de novos investidores para bancar a injeção de capital.

Ao fim, após novas negociações o Alibaba acabou embolsando apenas $3,32 milhões pela fatia de 50%, sinalizando um acordo dos sonhos para o braço de private equity do banco americano.

O acordo foi folheado a ouro, com o Goldman recebendo total controle do conselho e direitos antidiluição, que permeavam controle juridicamente inquestionável sobre a startup chinesa.

Dois anos depois, Masayoshi Son, fundador da gigante japonesa Softbank, liderou uma rodada que investiu $20 milhões na empresa por pouco mais de 30% de participação, catapultando o valuation e jogando os lucros do Goldman Sachs nas alturas.

Mas mesmo com as perspectivas positivas, ainda não era óbvio o sucesso meteórico que o Alibaba conquistaria na próxima década, o que levou a diretoria do Goldman Sachs a decidir encerrar sua participação na empresa.

Dessa forma, em 2004 o Goldman Sachs vendeu suas ações que representavam 50% da empresa por $22 milhões, um lucro de mais de 550% em 5 anos.

A operação, que naquele momento aparentava ser bem-sucedida, se tornaria uma pulga atrás da orelha de todos os dirigentes do banco americano, uma vez que o Alibaba começaria a crescer ascendentemente nos próximos anos.

Essas mesmas ações passariam a valer mais de $200 bilhões nos próximos anos antes de que quaisquer diluições fossem exercidas sobre as entidades sócias. E caso tivesse sido mantida após o IPO, elas chegariam a valer quase 5 vezes o próprio Goldman Sachs em 2020. 

Na ponta do papel, hoje o acordo significaria um lucro de no mínimo $115 bilhões, com diversas oportunidades de exits com lucros bilionários ao longo dos últimos anos. 

Notícias relacionadas

Quer aprender a investir em criptoativos na bolsa, de forma prática e inteligente? Nós preparamos um curso gratuito com o passo a passo. Clique aqui para acessar.