Blockchain

A tecnologia que vai fazer você usar Bitcoin sem saber

Sendo uma solução escalável do Bitcoin, a Lightning Network pode se tornar centro de um integração da economia real com o ativo digital.

Direto da Bitcoin Conference 2022, evento que reúne figuras influentes do mundo cripto em Miami, a investidora e CEO da Ark Invest, Cathie Wood declarou que espera uma explosão de desenvolvedores focados na tecnologia Lightning Network, uma rede alternativa que funciona em paralelo com a rede do Bitcoin.

A opinião de Wood também emana para diversos outros executivos do mercado, como Michael Saylor, CEO da MicroStrategy, e Jack Dorsey, fundador do Twitter e atual CEO da Block.

Dorsey, que deixou o comando do Twitter no ano passado, tem se voltado para o desenvolvimento de ferramentas atreladas ao Bitcoin com a Block. possíve

Tal intenção, já tem se materializado em avanços de infraestrutura em empresas pertencentes a Block, como o CashApp, que anunciou a integração de transações em Bitcoin pela Lightning Network em seus serviços.

A causa em si de toda a expectativa por trás da rede é o potencial de integração de uma gama gigantesca de transações e aplicações na rede do Bitcoin, que historicamente é questionada sobre sua escalabilidade.

Ao contrário de outras criptomoedas lançadas nos últimos anos com protocolos de validação alternativos, o Bitcoin por si só possui uma rede relativamente ‘’lenta’’, com blocos de transações que demoram cerca de 10 minutos para serem validados.

A desvantagem em relação a outras redes tem sua compensação, a descentralização.


O Proof-Of-Work, protocolo utilizado pela rede do Bitcoin, distribui o poder de validação de forma uniforme para todos os mineradores da rede, enquanto outras redes concentram o poder de validação a determinados endereços ou a detentores de grandes quantidades do token nativo.

Essa diferença estrutural coloca altcoins na frente da fila quando a característica em questão é a rapidez e a sustentação de grande quantidades de transações.

A Lightning Network foi criada para resolver esse exato problema, atuando como uma Layer 2 para a criptomoeda. 

Em dados, enquanto a blockchain do Bitcoin pode lidar com cerca de 7 transações por segundo, é possível lidar com até 1 milhão de transações por segundo dentro de um canal da Lightning Network.

Com transações baratas e extremamente velozes, o problema da escalabilidade é resolvido e permite uma ponte de acesso da economia real com o único ativo verdadeiramente descentralizado do mundo das criptomoedas, o Bitcoin.

Ao criar um canal na Lightning Network, dois endereços vinculados à rede do Bitcoin podem transferir de forma ilimitada fundos entre si sem a necessidade de informar os validadores da rede do Bitcoin em si (fato que tornaria as transações mais demoradas e custosas).

Após realizar as transações, o canal é fechado e as transações são consolidadas e enviadas para a rede principal do Bitcoin, sendo condensadas e evitando o spam de pequenas transações na rede do Bitcoin.

Essa funcionalidade rompe a barreira entre a economia real e a rede do Bitcoin, tornando extremamente fácil se comunicar diretamente com a rede e realizar transações rápidas.

Dessa forma, pequenas operações financeiras que vão desde empréstimos a compras pequenas podem ser registrados na blockchain e automatizados por meio de contratos inteligentes, integrando atividades do cotidiano com o Bitcoin.

Notícias relacionadas

Quer aprender a investir em criptoativos na bolsa, de forma prática e inteligente? Nós preparamos um curso gratuito com o passo a passo. Clique aqui para acessar.
Como era o Brasil no ano da conquista do penta Como Elon Musk transformou $28 mil em $330 bilhões Binance fecha acordo com Cristiano Ronaldo para promover NFTs O quanto a gasolina aumentou em cada governo Engenheiro da Google diz ter criado uma robô com alma