Notícias

Venezuela se tornará o país mais pobre da América Latina em 2022 prevê FMI

Dona das maiores reservas de petróleo do planeta, a Venezuela viu sua economia encolher 79% nos últimos 8 anos. O maior colapso econômico de uma nação na história.

Na Miami dos anos 60, uma categoria de clientes se tornou famosa pela gastança, ganhando o apelido de “dá-me dos”.

A sanha consumista dos venezuelanos que passeavam pelos EUA, tinha uma razão bastante clara: o país era detentor das maiores reservas de petróleo do planeta.

Na foz do rio Orinoco, a estatal venezuelana produzia mais petróleo do que qualquer outro país até então.

Na ponta do lápis, os venezuelanos se tornaram o 4º país de maior renda per capita do mundo em 1956, cerca de 30 anos após a descoberta do petróleo.

Tamanha riqueza, porém, sofreu por décadas em meio a uma tradição da América Latina, a instabilidade política.

Governos sociais democratas e conservadores lutaram para impor sua visão política, gerando períodos contraditórios no país.

Como os demais latinos, a Venezuela também sofreu em meio a “década perdida”, os anos 80.

Ainda assim, ostentava um PIB per capita relativamente elevado para a região, em $12 mil dólares, quando Hugo Chávez foi eleito presidente.

O período chavista não se distanciou tanto dos demais países da região, com um apelo populista sustentado pelo petróleo em meio ao Boom das Commodities, o governo expandiu gastos.

A estatal PDVSA, entretanto, acabou sendo loteada para agradar militares e manter o regime no poder.

O caso se acentuou com a morte de Chavez e o governo de Nicolás Maduro.

Desde 2014 a economia venezuelana entrou uma espiral negativa. Com militares dominando as estatais e sem investimentos em modernização, a produção de petróleo saiu de 3 milhões de barris diários para menos de 500 mil.

Os gastos sociais, porém, se mantiveram, financiados por impressão de dinheiro, o que acentuou a inflação no país.

Entre 2014 e 2022, a Venezuela terá completado 4 anos de hiperinflação, além de uma queda de 79% no PIB.

Trata-se do maior colapso já visto em uma nação, exceto casos de guerra. O valor supera por larga vantagem a grande demissão americana de 1929, que derrubou o PIB em 28%.

Cerca de 76% da população vive hoje na pobreza.

Agora, segundo o FMI, o país deverá atingir um PIB per capita de $1610, menor do que o Haiti, se tornando assim o país mais pobre das Américas.

Quer aprender a investir em criptoativos na bolsa, de forma prática e inteligente? Nós preparamos um curso gratuito com o passo a passo. Clique aqui para acessar.
Conheça as 6 moedas que permanecem no Top 20 das maiores criptos desde 2017 Em um mês Nubank perde um terço do valor de mercado Como dois brasileiros de 22 anos fizeram uma empresa de R$78 bilhões Microsoft compra Blizzard na maior aquisição de sua história Alguém encontrou um Bitcoin minerando sozinho em casa