Economia

Os torcedores mais ricos de cada clube brasileiro

Com a profissionalização do futebol, cada vez mais um negócio, listamos aqui os torcedores mais ricos de cada clube brasileiro.

A discussão em torno do nível financeiro dos clubes brasileiros tem chamado atenção em meio a competições na América do Sul, com uma disparidade cada vez maior.

Clubes brasileiros agora atingem orçamentos bilionários, e possuem força maior do que rivais no continente para reter e contratar talentos, o que estaria criando uma desigualdade na competição.

Desde 2011, clubes brasileiros venceram 7 edições da Libertadores da América, contra 3 títulos para a Argentina e 1 para a Colômbia. 

Na prática, os clubes brasileiros faturaram R$7,1 bilhões em 2021, o que quando comparado aos demais clubes nas Américas se traduz em 10 dos primeiros 20 lugares, contra 5 mexicanos, 4 argentinos e 1 americano.

Conforme levantamento da XP, porém, essa receita ainda é tímida de acordo com o potencial. Torcedores brasileiros gastam em média R$1 em estádios, além do valor do ingresso, contra R$60 e torcedores da MLS, a liga de futebol americano. 

De olho neste potencial, e sabendo da profissionalização cada vez maior dos clubes brasileiros, elaboramos uma lista com os torcedores mais ricos de cada clube brasileiro e que poderiam eventualmente se arriscar em novos negócios.

Beto Sicupira: R$43,8 bilhões – Flamengo 

Ex-estagiário do Banco Garantia, Carlos Alberto Sicupira é um dos sócios nos diversos empreendimentos do grupo que compõe a 3G, como a Ambev, Bud, Burger King e Americanas

Vicky Safra: R$37,4 bilhões – Corinthians 

Controladora do clã de banqueiros Safra, a corinthiana Vicky Safra herdou a fortuna antes pertencente ao seu marido Joseph, considerado o banqueiro mais rico do planeta, com unidades no Brasil, Suiça e Nova York.

André Esteves: R$26,7 bilhões – Fluminense 

Fundador e atual controlador do BTG Pactual, André Esteves é torcedor do Fluminense, e um dos maiores banqueiros do país. Seu banco, o BTG, possui cerca de R$1 trilhão em ativos sob custódia.

Abílio Diniz: R$ 13,35 bilhões – São Paulo

Conhecido por ter tornado o Pão de Açúcar um gigante do varejo nacional, Abílio vendeu a empresa e hoje investe em diversos setores através do seu Family Office, o Peninsula Investimentos. 

João Moreira Salles: R$9,3 bilhões – Botafogo

Cineasta e herdeiro do clã Moreira Salles, João é torcedor botafoguense com um histórico de apoio ao clube, por meio de um centro de treinamento. Sua família fundou o Unibanco, onde João era sócio até fevereiro deste ano (quando vendeu a participação aos irmãos Pedro e Fernando), além da mineradora CBMM, maior produtora de Nióbio do mundo.

Alexandre Grendene: R$8,4 bilhões – Grêmio

Fundador da empresa que leva seu sobrenome, o gaúcho Alexandre Grendene é o mais rico torcedor do Grêmio de Porto Alegre e um dos maiores nomes do setor calçadista no país. 

Pedro Grendene: R$5,4 bilhões – Internacional

Gaúcho de Farroupilha, Pedro Grendene também no setor calçadista como seu irmão Alexandre e um dos torcedores mais ricos do país. 

Ruben Menin: R$ 4 bilhões – Atlético Mineiro

Se dentro de campo o Atlético Mineiro reinou em 2021, não dá pra dizer que tenha sido um ano tão positivo para o seu mecenas. A queda nas ações do Banco Inter atingiu em cheio a fortuna de Menin, que também é dono da CNN e da construtora MRV.

Leila Pereira: R$3,6 bilhões – Palmeiras

A presidente e mecenas do Palmeiras é a maior acionista da financeira Crefisa, cujo valor de mercado é estimado em R$5 bilhões.

Notícias relacionadas

Quer aprender a investir em criptoativos na bolsa, de forma prática e inteligente? Nós preparamos um curso gratuito com o passo a passo. Clique aqui para acessar.