Economia

O que é o Efeito Cantillon e como ele explica os ricos estarem mais ricos na pandemia

Uma teoria econômica de quase 300 anos ajuda a explicar o aumento da riqueza dos bilionários hoje.

Richard Cantillon foi um banqueiro irlandês-francês, nascido em 1680, e a quem se atribui um dos pilares da economia moderna.

Com larga experiência no sistema financeira, além de mercador, Cantillon expôs ao longo do seu livro “Um ensaio sobre a natureza do comércio”, uma visão inovadora para uma época onde a economia ainda engatinhava.

Partiu dele também, um dos pilares da teoria econômica moderna, e cujo entendimento ajuda a entender o mundo moderno: o efeito Cantillon.

Em resumo, o Efeitos Cantillon alega que a impressão de moeda cria uma inflação desigual, beneficiando determinadas pessoas que possuam “proximidade com a criação de moeda”.

Na prática, como a inflação destrói o valor da moeda com o tempo, quanto mais cedo você tem acesso a essa moeda, mais beneficiado será.

Em épocas onde a criação de moeda tem sido a resposta para 10 em cada 10 problemas econômicos, seja uma crise imobiliária ou uma pandemia, a teoria de Cantillon ajuda a compreender como os mais ricos, que possuem acesso a crédito e ativos inflacionados pelos bancos centrais, se beneficiam.

Este foi o caso, por exemplo, dos $6 trilhões em moeda nova jogados pelo FED, o banco central americano.

Na prática, a criação de moeda reduz a taxa de juros na economia (uma vez que os juros são o preço do dinheiro, quanto maior a oferta, menor serão os juros), o que por sua vez torna determinados investimentos antes arriscados, mais “compensatórios”.

Startups e outras empresas cuida a modelos ainda não se provaram, recebem mais financiamento, criando uma nova safra de bilionários.

Empresas já consolidadas e boas geradoras de lucro, com potencial de crescimento, se tornam escassas, e portanto mais caras.

Este efeito a ajuda a explicar os motivos de os bilionários estarem cada vez mais ricos na economia.

Uma vez que são eles quem possuem ativos para dar em garantias, conseguem acesso a crédito barata, expandindo seus negócios, ou simplesmente vêm um avanço no preço de suas ações.

O efeito Cantillon, porém, não se limita apenas aos muito ricos. Preços de imóveis e ações no geral ganham um empurrão extra com a política monetária.

Em tempos de inflação, os mais ricos possuem acesso a moeda menos depreciada, o que colabora com o aumento de sua fortuna.

Há ainda uma questão um pouco mais evidente. Considere que o total de ativos na economia é finito. Quando a base sobre a qual se calcula o valor destes ativo e aumenta (o total de dinheiro no caso), o preço destes ativos também aumenta.

O efeito Cantillon pode ser observado com clareza no aumento da concentração de riqueza no Brasil dos anos 80, uma vez que os mais ricos e a classe média tinham acesso a meios de proteção, como o overnight, enquanto os mais pobres chegavam tarde ao dinheiro em questão.

A reversão dessa política expansionista é aguardada para 2022, com o chamado “Tapering”, ou a retirada gradual dos estímulos econômicos.

Como sempre, porém, a questão é saber se os bancos centrais terão coragem de recuar nos estímulos. Do contrário, manchetes sobre ganhos recordes de bilionários se tornarão ainda mais comuns.

Quer aprender a investir em criptoativos na bolsa, de forma prática e inteligente? Nós preparamos um curso gratuito com o passo a passo. Clique aqui para acessar.
7 famosos que investem em NFTs Entenda a questão envolvendo Rússia e Ucrânia 5 vezes que disseram que o Bitcoin morreu Conheça as 6 moedas que permanecem no Top 20 das maiores criptos desde 2017 Em um mês Nubank perde um terço do valor de mercado