Economia

Número de brasileiros morando no exterior cresce 122% na década

Número de brasileiros morando no exterior saltou de 1,9 milhão para 4,2 milhões entre 2012 e 2020.

Além da pochete, da lambada e dos mullets, os anos, os anos 80 tiveram uma outra moda na América Latina, a crise econômica.

Começando pelo México, a recessão e a hiperinflação se tornaram um cenário comum na região.

No Brasil, foi a década dos planos econômicos fracassados, congelamento de preços, calote na dívida e trocas de moeda.

Ainda assim, nosso PIB não chegaria a cair nos 10 anos em questão, ao contrário dos anos 2010, quando atingimos um recorde: a primeira década em que o país terminou mais pobre do que começou.

Em média, os brasileiros terminaram a década 9,8% mais pobres.

De fato, os anos 80 puderam contar com um boom demográfico, que aumentou a quantidade de trabalhadores e consequentemente a riqueza. Nos anos 10, porém, este boom chegou ao fim. 

Foi neste cenário, de queda do PIB em 2014-16 e uma pandemia em 2020, que ao menos 2,3 milhões de brasileiros migraram para o exterior.

Entre 2012 e 2020, o número de brasileiros morando em outros países saltou de 1,9 milhão para 4,2 milhões. 

Em uma publicação feita pela Fundação Getúlio Vargas, fica evidente que este é um problema recorrente para o país.

Ao menos 47% dos brasileiros entre 18 e 29 anos desejam sair do país. O número é mais do que o dobro dos 20,1% que responderam positivamente sobre a vontade de migrar entre 2011 e 2014.

No total da população, os índices são ainda maiores entre aqueles que possuem curso superior. Nada menos do que 56% afirmou que sairia do país se tivesse condições.

Dentre os brasileiros no exterior, 46% estão na América do Norte, contra 31% na Europa.

Os Estados Unidos são o país com maior quantidade deles. Cerca de 1,7 milhão de brasileiros (quase 1% do total), vivem no exterior.

Por lá, os brasileiros são o 59º “grupo étnico” mais rico, de acordo com o Censo americano. A renda per capita de um brasileiro vivendo nos EUA é de $56 mil, contra $8 mil da renda dos brasileiros morando no próprio país.

Os números, claro, são distorcidos pelo perfil dos imigrantes, via de regra com maior grau educacional que a média brasileira. Ainda assim, a mobilidade social na terra do Tio Sam, é um atrativo. 

Entre os motivos citados pelos que respondem afirmativamente sobre a ideia de mudar, a segurança no Brasil ocupa o primeiro lugar na lista. 

Com 3% da população mundial, o Brasil é responsável por ao menos 10% do total de homicídios registrados no planeta.

A instabilidade financeira, que jogou milhões de brasileiros no desemprego, também possui lugar na lista. 

Com o fim do bônus demográfico, o cenário do país pela próxima década dependerá de uma mudança drástica na produtividade.

Na prática, nos últimos 20 anos, ¾ do crescimento do PIB brasileiro veio do aumento do número de trabalhadores, com crescimento populacional, enquanto apenas ¼ teve como causa o aumento da riqueza gerada por trabalhador.

Com o crescimento populacional saindo de 1,2% para 0,6% ao ano nos últimos 10 anos, a tendência é de um aumento menor na riqueza total. Nos próximos 10 anos a estimativa é de que o aumento populacional chegue próximo a zero.

Em resumo, o crescimento populacional estará totalmente dependente do aumento de produtividade.

A perda de mão de obra qualificada para o exterior, que vai além dos migrantes, e afeta também profissionais como desenvolvedores e outros que participam de cadeias globais, acaba impactando ainda mais na dificuldade do país em elevar sua produção de riqueza.

Um cenário nada animador, que depende de mudanças drásticas e estruturais passando pelo congresso nacional. 


FAMÍLIAS COM MENOS FILHOS SÃO A MAIOR AMEAÇA A HUMANIDADE HOJE, SEGUNDO MUSK

ALGUÉM DIGITOU UMA VÍRGULA ERRADA E VENDEU UMA NFT DE $300 MIL POR $3 MIL

Quer aprender a investir em criptoativos na bolsa, de forma prática e inteligente? Nós preparamos um curso gratuito com o passo a passo. Clique aqui para acessar.