Blockchain

Mineração de bitcoin cresce na Argentina com energia subsidiada pelo governo

Em um cenário de caos inflacionário protagonizado pela gestão peronista, os subsídios energéticos fornecidos pelo governo aos consumidores tornaram a mineração uma atividade econômica extremamente lucrativa. Com uma inflação de 17,6% registrada nos últimos 4 meses e com uma provisão de aproximadamente 50% até o fim de 2021, a Argentina se tornou um exemplo a […]

Em um cenário de caos inflacionário protagonizado pela gestão peronista, os subsídios energéticos fornecidos pelo governo aos consumidores tornaram a mineração uma atividade econômica extremamente lucrativa.

Com uma inflação de 17,6% registrada nos últimos 4 meses e com uma provisão de aproximadamente 50% até o fim de 2021, a Argentina se tornou um exemplo a não ser seguido para toda a América Latina. Com as projeções econômicas indo por ladeira abaixo e a rejeição do governo subindo, a Argentina tem se tornado um verdadeiro inferno monetário. 

Em um cenário inflacionário, o bitcoin se torna uma boa alternativa para depositar valor e se proteger das mãos governamentais que desvalorizam a moeda local a todo momento. Primordialmente os argentinos buscaram depositar suas poupanças em dólares, mas o governo observou este movimento e estabeleceu um limite máximo de conversão individual de $200 dólares por mês, além de impor taxas a estas transações. Com as restrições e as taxas abusivas, a popularidade e adoção do bitcoin pelos argentinos dispararam:

Junto com a adoção, a mineração também se popularizou exponencialmente em solo argentino. A mineração, por sua vez, se popularizou em virtude das políticas subsidiárias adotadas pelo governo Peronista comandado por Alberto Fernández. Apenas em agosto de 2020, a Argentina gastou 47,6 bilhões de pesos com subsídios para o setor de energia, isto equivale a $506,4 milhões. Os números são tão altos, que em 2014 os subsídios representaram um gasto de 3% do PIB.

A política dos subsídios presente no governo de Alberto Fernández foi um dos pontos mais atacados pelo governo anterior de Maurício Macri. Macri, ao contrário de Fernández, priorizou a impopular redução da carga de subsídios que levava maiores preços para o usuário final, em uma tentativa de realizar um ajuste fiscal nas contas públicas do país. Sob a gestão de Macri os subsídios à energia caíram para 1% do PIB.

Os subsídios levam a Argentina a possuir a energia mais barata da América Latina, cerca da metade do preço médio pago no Brasil, o que torna a Argentina um verdadeiro paraíso para os mineradores de bitcoin. De acordo com a estatal YPF Luz, o custo de geração de energia durante o primeiro semestre de 2020 foi em média $58/MWh, enquanto os consumidores pagaram $26,6/MWh.

A energia a baixo custo tem interessado diversas empresas de mineração internacionais que enxergam na Argentina uma oportunidade de maximizar seus lucros diante de políticas populistas praticadas pelo governo. A Bitfarms Ltd. do Canadá, declarou que fechou um acordo para acessar diretamente uma usina de energia local para extrair até 210 megawatts de eletricidade movida a gás natural, tentando operar o que seria a maior instalação de mineração de Bitcoin na América Latina.

Em uma entrevista, o presidente da Bitfarms, Geoffrey Morphy disse: “Estávamos procurando lugares que superestimaram seus sistemas de geração elétrica. A atividade econômica na Argentina está baixa e a energia não está sendo totalmente utilizada. Portanto, era uma situação ganha-ganha”


Para se manter atualizado, siga a QR Capital no Instagram e no Twitter.

Quer aprender a investir em criptoativos na bolsa, de forma prática e inteligente? Nós preparamos um curso gratuito com o passo a passo. Clique aqui para acessar.