Notícias

Brasil se junta a China, Rússia, Cuba e Irã ao banir o Telegram

Alegando ausência de cooperação judicial por parte do Telegram, o STF brasileiro determinou o banimento do app, decisão já tomada por países como Rússia, China, Cuba e Irã

Por decisão do ministro Alexandre de Moraes, o Brasil passou a ingressar uma seleta lista de países que baniram o app de mensagens “Telegram”. O Ministro do STF determinou multa diária de R$ 100 mil para as empresas que não cumprirem a determinação de bloqueio do aplicativo.

Criado pelo russo Pavel Durov, considerado o “Mark Zuckerberg da Rússia”, o app já esteve envolvido em polêmicas, em especial pelas discussões entre seu fundador e Vladimir Putin.

O app possui 550 milhões de usuários no mundo e já sofreu censura em suas operações por governos como o de Cuba, Rússia, China, Azerbaijão, Irã, Paquistão, Bielorrússia, Bahrein, Índia e Indonésia.

Telegram no Brasil

Segundo apuração do G1, a decisão ocorreu a pedido da Polícia Federal que alega não ter cooperação do Telegram no cumprimento de ordens judiciais.

Assim como outros aplicativos de mensagens como Whatsapp, o Telegram já tem um longo histórico de intimações judiciais sobre sua operação no país. No último mês, tanto o Instagram quanto o Whatsapp fecharam um acordo com o TSE que determinava o compromisso com a Corte para combater a desinformação.

No ofício em questão, a equipe judiciária do Telegram não respondeu a Justiça Eleitoral, fato que contribuiu para a decisão do ministro Alexandre de Moraes nesta sexta (18).

Pavel Durov e os oligarcas russos

Aos 37 anos, Pavel Durov tem se relacionado diretamente com oligarcas russos que recentemente tiveram seus patrimônios confiscados. A rede social criada pelo mesmo em 2006, a VK, foi adquirida por Alisher Usmanov, um dos homens mais ricos da Rússia e amigo pessoal de Vladimir Putin.

Notícias relacionadas

Quer aprender a investir em criptoativos na bolsa, de forma prática e inteligente? Nós preparamos um curso gratuito com o passo a passo. Clique aqui para acessar.