Artigo

O que é o IOF, o imposto que o governo decidiu aumentar. E como ele impacta você


Por Felippe Hermes
Setembro 17, 2021

[post-views]

Ao cobrar impostos sobre pessoas endividadas para bancar programas sociais, o governo cria um novo conceito: o imposto sobre grandes pobrezas.

Foi em 2011 que, em meio a um dólar cotado a R$ 1,85 , a então presidente Dilma Rousseff anunciou o aumento de um tributo, o IOF. O objetivo? Reduzir as despesas de brasileiros com compras no exterior.

A alíquota saiu de 2,38% para 6,38%. Como diria Paulo Guedes, foi uma festa danada. O dólar baixo fez os brasileiros gastarem uma fortuna em compras em Miami. Cerca de $1,33 bilhão no mês de julho de 2011.

O aumento cavalar do imposto foi um baque, mas cuja explicação é ainda mais insana. O IOF é, via de regra, um imposto utilizado pelo governo para controlar a economia.

Não se trata apenas de um imposto arrecadatório pra bancar salários e aposentadorias (que consomem 80% dos gastos públicos), mas algo deliberadamente feito para regular o preço do dinheiro na economia.

Ao contrário da política monetária do Banco Central, que pode aumentar ou diminuir a demanda por crédito se utilizando da chamada “taxa Selic” (a taxa de crédito que regula a compra e venda de títulos públicos), o IOF é um imposto para permitir ao executivo, agir sem ter de esperar o Bacen.

O IOF incide, por exemplo, em investimentos feitos em fundos por um período menor do que 30 dias. Na prática, o governo se utiliza do juridiques para dizer que um investimento menor do que 30 dias é uma operação, e não um investimento. Na prática, é apenas uma maneira de forçar investimentos de mais longo prazo.

O caráter regulatório do IOF incide também sobre compra de dólar físico, investimentos vindos do exterior (um investidor que queira investir no Brasil pode deixar de largada entre 0.38% e 1.1% só de imposto pra entrar no país com dinheiro).

O mais perverso dos meios, porém, é a fatura do cartão de crédito. Pessoas com crédito inadimplente precisam pagar o IOF dentre as taxas, juros e multas.

Na prática, o governo cria uma espécie de “imposto sobre grandes pobrezas”, que penaliza pessoas que estão em débito com suas obrigações.

Em meio a pandemia, este número de pessoas cresceu exponencialmente.

Entre abril e novembro de 2020, o governo havia zerado o IOF, como maneira de estimular o crédito. Ao final do ano, acabou reestabelecer o imposto em 1.5% para empresas e 3% para pessoas físicas.

A nova medida deve elevar as alíquotas para 2.04% ao ano e 4.08% ao ano.

O valor arrecadado, espera-se, ficará em torno de R$2,14 bilhões. Ao longo de 2019 o imposto foi responsável por arrecadar R$40,9 bilhões.

Na prática, desde 2002 o IOF vem sendo utilizado como um tempão, com crescimento elevado para tapar rombos fiscais e cumprir cota arrecadatório também.

Em 2002, em valores corrigidos pela inflação, a arrecadação equivalia a R$3,7 Bilhões, ou quase 90% menos do que hoje. Em suma: o IOF compensou boa parte da extinção da CPMF.

Outras compensações foram feitas. Os reajustes da tabela do imposto de renda foram repassados ao consumidor e assim sucessivamente.

Com cerca de 63 milhões de brasileiros inadimplentes, e muitos com a renda ainda afetada pela pandemia, cobrar imposto sobre estas pessoas para bancar programas sociais se mostrar uma das medidas surrealistas já adotadas por aqui.

cool good eh love2 cute confused notgood numb disgusting fail