Economia

Hit dos anos 90, o efeito Orloff pode estar de volta

Com a Argentina já passando por um processo de racionamento de combustíveis, o Brasil se vê como a ‘’Argentina amanhã’’ com a escassez iminente.

A expressão efeito Orloff se tornou, nos anos 1990, o modelo chave para comparar Brasil e Argentina, a comparação se inspira numa propaganda de vodca dos anos 1980.

Nela, o protagonista acorda de ressaca porque tomou uma vodca de baixa qualidade, e diz ‘’eu sou você, amanhã’’.

Sob um cenário macroeconômico, a expressão atingia a economia brasileira depois da Argentina, após o início do ciclo hiperinflacionário que deu origem ao Plano Real.

A Argentina havia sido a primeira a passar por sucessivos planos de estabilização econômica mal sucedidos, e quando a questão era se perguntar da probabilidade de sucesso dos planos brasileiros, bastava olhar a Argentina e citar o tal efeito Orloff.

Trinta anos depois, o mesmo efeito veio à tona, com a Argentina embarcando em uma grave crise hiperinflacionária e exercendo calotes sobre a sua dívida externa.

Agora, em meio a uma iminente falta de abastecimento na área de combustíveis, o governo brasileiro estuda planos para estabilizar o fornecimento em todo o país, que tem sua matriz de transporte baseada na utilização do diesel.

O efeito já é vivenciado na Argentina, com a falta de combustíveis sendo um fator generalizado em diversas cidades do país, levando o governo comandado por Alberto Fernández a estabelecer planos de racionamento dos produtos.

A armadilha da dívida da China e a Argentina

As Olimpíadas de Verão em 2008 na China representaram um marco na projeção de poder do gigante asiático. O evento, cuja audiência rivaliza apenas com a Copa do Mundo, contou com uma figura até então pouco conhecida como principal organizador: Xi Jinping.

O sucesso do evento fez Xi superar concorrentes políticos na briga pela sucessão de Hu Jintao. Com o feito, Xi se tornou então o líder do partido e do país mais populoso do mundo.

Continue lendo a matéria clicando aqui.

Notícias relacionadas

Quer aprender a investir em criptoativos na bolsa, de forma prática e inteligente? Nós preparamos um curso gratuito com o passo a passo. Clique aqui para acessar.