Artigo

Digital Yuan

China lança moeda digital e testa dinheiro com prazo de validade para estimular consumo


Por Hugo Montan
Abril 7, 2021

[post-views]

O governo chinês lançou sua própria moeda digital que ameaça a hegemonia do dólar no comércio internacional. Nova moeda usa blockchain e pressiona FED por criação de stablecoin para economia americana. 

Tomando a dianteira entre as grandes economias, o Banco Popular Chinês anunciou a sua nova criptomoeda, o “yuan digital”. Sendo a primeira grande potência a lançar uma criptomoeda governamental para transações financeiras em seu território.

A nova invenção fornece ao governo Chinês ferramentas para monitorar sua economia e a população em tempo real (uma demanda em alta conforme o regime de Pequim vê um crescimento substancial na classe média), além do fato do dinheiro não estar vinculado ao sistema financeiro global, que é amplamente dominado pelo dólar.

Tudo sobre blockchain, investimentos e economia.

Assine a nossa newsletter

BLOCKTRENDS

Assine Grátis nossa Newsletter e acompanhe as tendências sobre blockchain, investimentos e economia.

A digitalização da moeda é uma forma mais simples e rápida de injetar trilhões na economia, algo que tem se tornado comum com os chamados “Quantitative Easing”, desde a crise de 2008, e que ganhou força com a pandemia.

Com a ferramenta, a China busca fomentar o consumo e estimular o crescimento, conforme cresce o temor de uma desaceleração na economia.

Uma das possibilidades, garantida por se tratar de uma moeda “programável”, é a criação de moedas com “prazo de validade”. Na prática, o governo poderia distribuir recursos que devem necessariamente ser gastos em determinado prazo, estimulando o consumo em detrimento da poupança.

A ausência de um sistema de proteção social e garantias na velhice é ainda um fator crucial para a elevada taxa de poupança chinesa.

Famílias chinesas poupam em média 23% da sua renda, uma taxa 15 pontos acima da média global. A taxa de poupança interna do país gira em torno de 44,4%, quase 3 vezes maior do que a brasileira.

Se por um lado o aumento de recursos disponíveis financia boa parte dos investimentos do país, por outro cria um problema na medida em que chineses esperam sempre consumir “no futuro”. Essa dissonância, apesar de plenamente racional para as famílias, desagrada o governo, que espera ampliar o consumo presente.

O Yuan digital deve ter um peso relevante também na relação chinesa com países da região, integrados pela chamada “Rota da Seda 2.0”, um projeto de $1 trilhão em obras de integração no sudeste asiático.

Com a autonomia governamental do ativo, a China pode se livrar de todos os empecilhos burocráticos causados por conflitos com os EUA, forçando o uso do Yuan digital entre as trocas com países da região.

Ao transacionar em uma moeda sob a qual não possuem autonomia, países da região ficam sujeitos a eventuais sanções norte-americanas, além do chamado “privilégio exorbitante”, que garante aos Estados Unidos uma vantagem comercial e monetária por ser o emissor da moeda global, o dólar.  

Congelamentos de ativos e bloqueios de conta tem sido uma constante.

Pequim é particularmente afetada por esses bloqueios e congelamentos de ativos financeiros. Estima-se que mais de 250 nomes chineses foram acusados de crimes por autoridades americanas, desde a restrição de liberdade em Hong Kong até genocídio contra minorias étnicas (expressão que tem sido utilizada pelos presidentes americanos para se referir ao caso dos Uighurs)

Nicholas Burns, diplomata americano e candidato a ser embaixador em Pequim declarou: “Os chineses criaram um problema para nós ao tirar nossa força de sanções”.

Tudo sobre blockchain, investimentos e economia.

Assine a nossa newsletter

BLOCKTRENDS

Assine Grátis nossa Newsletter e acompanhe as tendências sobre blockchain, investimentos e economia.

  Logo, com a moeda, a China pode se livrar de todos estes bloqueios e fazer transações sem nenhuma intermediação de bancos comerciais privados, o que inviabiliza o rastreio dos americanos.

 MERCADO DIGITAL JÁ POPULAR NA CHINA

  A ideia do Banco Central gira em torno de alimentar um mercado já consolidado e existente na China, os apps WeChat e AliPay são apps extremamente populares que “resolvem tudo”, incluindo transações virtuais por QR Code. Estima-se que somente o WeChat detêm 34% do tráfego de dados no país e pelo menos 1 milhão de lojas aceitam a ferramenta de pagamento do app, o WeChat Pay.

  Portanto, o Banco Central Chinês busca fornecer a moeda digital como um backup para os serviços do AliPay e WeChat Pay. Desta forma a mudança tem uma transição sutil para a população chinesa, uma vez que, a única mudança no sistema que vai ocorrer de fato é a exclusão de etapas intermediárias da transação que será unicamente vinculada ao banco central da China.

Para se manter atualizado, siga a QR Capital no Instagram e no Twitter.

cool good eh love2 cute confused notgood numb disgusting fail