Participe da
Comunidade Ícone Whatsapp
Investimentos

10 gestoras que mais ‘destroem’ riqueza da última década. Cathie Wood lidera

O ranking baseia-se nos conglomerados (família de fundos), e mostram as gestoras que mais causaram prejuízos.

Algumas gestoras recebem reconhecimento por gerarem riquezas aos seus investidores. Entretanto, outros caem na infâmia por destruírem-na. Na última década, diversos fundos causaram prejuízos, e evaporaram com a riqueza dos seus investidores. Contudo, existem gestoras que administram um conjunto de fundos e ETFs, as famílias de fundo como chamam.

Portanto, o ranking baseia-se nos conglomerados que mais causaram prejuízos. O primeiro no ranking é o da ARK Invest, da Cathie Wood. Desse modo, os dados da Morningstar classificam as famílias de fundos de acordo com a estimativa de riqueza que destruíram, medida em bilhões de dólares, e o tamanho atual de cada fundo. Também em bilhões de dólares.

Entre na comunidade BLOCKTRENDS PRO com 15% OFF e receba +30 cursos, análises diárias, relatórios semanais, lives e mais.

A lista é diversa, e contém gestoras brasileiros, australianas e norte-americanas. Ademais, a exposição à ativos também tende a variar bastante como criptomoedas, cannabis e até imóveis físicos.

10 gestoras
(Fonte: Morningstar)

ARK ETF Trust

  • Riqueza Destruída: US$ 14,3 bilhões
  • Tamanho: US$ 16,1 bilhões

O ARK ETF Trust é bastante popular e conhecido por seu foco em inovações disruptivas e tecnologias. Apesar disso, lidera a lista com uma destruição de riqueza estimada em US$ 14,3 bilhões.

Portanto, o fundo gerido por Cathie Wood tem enfrentado volatilidade significativa devido à sua exposição a setores altamente especulativos e de alto risco como inteligência artificial e e-commerce.

KraneShares

  • Riqueza Destruída: US$6, 5 bilhões
  • Tamanho: US$7, 2 bilhões

KraneShares, conhecido por seus ETFs focados na China, perdeu cerca de US$ 6,5 bilhões. A volatilidade do mercado chinês e questões regulatórias podem ter contribuído para essas perdas substanciais.

Credit Suisse

  • Riqueza Destruída: US$ 5,3 bilhões
  • Tamanho: US$ 2,3 bilhões

O Credit Suisse, com renome no setor bancário, também aparece na lista com uma destruição de riqueza de US$ 5,3 bilhões. Os desafios financeiros enfrentados pela instituição nos últimos anos podem ter contribuído para essa destruição de riqueza.

Após a crise no Sillicon Valley Bank, o Credit Suisse sofreu grandes impactos financeiros. Pouco depois, o UBS comprou a entidade, em acordo com o governo suíço, por US$ 10 bilhões de dólares.

Global X Funds

  • Riqueza Destruída: US$ 4,6 bilhões
  • Tamanho: US$ 39,5 bilhões

Na lista de gestoras, não podia faltar uma brasileira. Desse modo, a Global X Funds destruiu aproximadamente US$ 4,6 bilhões. Apesar de sua ampla gama de ETFs, a fraca performance em certos setores impactou negativamente seus resultados. O foco da entidade é viabilizar o acesso à investimentos em ativos globais.

ProShares

  • Riqueza Destruída: US$ 4,3 bilhões
  • Tamanho: US$ 68,8 bilhões

ProShares, conhecido por seus ETFs de alavancagem e inversos, perdeu US$ 4,3 bilhões. Apesar disso, vale ressaltar que a natureza arriscada de seus produtos pode ter contribuído para essa destruição de riqueza. Vale lembrar que o fundo também tem ligação intrínseca com mercado de criptoativos. A ProShares foi uma das gestoras a lançarem os ETFs de Bitcoin à vista nos EUA, o $BITO.

Barclays

  • Riqueza Destruída: US$ 3 bilhões
  • Tamanho: US$ 1,3 bilhões

O Barclays, com um tamanho de fundo relativamente pequeno de US$ 1,3 bilhões, destruiu US$ 3 bilhões em riqueza. A má performance e possivelmente as más escolhas de investimento podem ter levado a essas perdas.

Barclays é um banco Britânico multinacional com sede em Londres. A entidade foca em operações em varejo, atacado, investimentos, gerenciamento de investimentos, crédito hipotecário e cartões de crédito.

AdvisorShares

  • Riqueza Destruída: US$ 2,2 bilhões
  • Tamanho: US$ 1 bilhão

AdvisorShares, focado em ETFs geridos ativamente, destruiu US$ 2,2 bilhões. A gestão ativa tem foco em ativos mais alternativos como a Cannabis. O ETF $YOLO enttrou no mercado em abril de 2019 e foca exclusivamente no mercado da maconha.

Cromwell Funds

  • Riqueza Destruída: US$ 1,9 bilhões
  • Tamanho: US$ 0,4 bilhão

Cromwell Funds, apesar de ser um fundo menor com US$ 0,4 bilhões, conseguiu fazer um estrago. O fundo imobiliário destruiu US$ 1,9 bilhões em riqueza. A entidade australiana foca majoritariamente em imóveis para moradia.

ETFMG

  • Riqueza Destruída: US$ 0,5 bilhão
  • Tamanho: US$ 3,7 bilhões

ETFMG, entra na lista com uma destruição de riqueza de US$ 0,5 bilhão. Trata-se de mais um fundo exclusivamente com foco em maconha e anterior ao YOLO. O Alternative Harvest, negocia sob o código “MJ” na Bolsa de Nova York (Nyse).

Roundhill Investments

  • Riqueza Destruída: US$ 0,5 bilhão
  • Tamanho: US$ 0,7 bilhão

Finalmente, para fechar a lista está a Roundhill Investments, com um tamanho de US$ 0,7 bilhões, destruiu US$ 0,5 bilhões. Este fundo se especializa em ETFs temáticos Ou seja, afirma que, sob o guarda-chuva da SEC dos Estados Unidos, busca inovar em diversos mercados emergentes.

Entre os ETFs estão de metaverso, apostas esportivas, inteligência artificial, videogames e até Cannabis. Apesar da variedade, grande parte dos ETFs nem sempre são bem-sucedidos.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na melhor corretora de traders de criptomoedas. Acesse ByBit.com

Notícias relacionadas



Mt. Gox diz que vai pagar US$ 8 bilhões aos credores semana que vem Ancord e BlockTrends lançam primeira Certificação em Criptoativos do Mercado Financeiro e de Capitais Donald Trump Agora Possui US$ 30 Milhões em Memecoins DOG é listada na Bybit e atinge máxima histórica pelo segundo dia consecutivo DOG, memecoin no Bitcoin, atinge nova máxima histórica