Participe da
Comunidade Ícone Whatsapp
Blockchain

Polygon anuncia mudanças em tokenomics; entenda como pode afetar o preço

Para Giovanni Populo, especialista em economia de tokens, a equipe da Polygon trouxe a novidade devido ao fato de não ter mais tantas “moedas para gastar” com incentivos.

A equipe da Polygon apresentou nesta quinta-feira (13) a próxima proposta técnica do Polygon 2.0. Conforme anunciado, o token antes chamado de MATIC, passará a se chamar POL, e servirá para todo o ecossistema Polygon.

Se a proposta for aprovada, a equipe implementará a chamada POL, “3ª geração de ativos nativos” e vai estabelecer a conversão, ou atualização, de MATIC para POL em uma taxa de 1:1 entre os detentores. Eles descrevem POL como um token hiperprodutivo. Os detentores podem se tornar validadores e receber recompensas, mas com duas propostas de melhorias.

Faça parte da Comunidade BLOCKTRENDS PRO e lucre em cripto com relatórios semanais, análises diárias, sinais e lives exclusivas.

A primeira é que, os validadores podem validar múltiplas redes do ecossistema, e essa por sua vez, oferecer múltiplas funções. Conforme a equipe da Polygon, as recompensas também serão correspondentes aos validadores.

Pontos positivos

Para Giovanni Populo, especialista em economia de tokens, a equipe da Polygon trouxe a novidade devido ao fato de não ter mais tantas “moedas para gastar” com incentivos, ou seja, a equipe conta com um baixo fornecimento circulante.

“Estão com as mãos meio atadas em relação à o que podem fazer, e como podem utilizar os tokens para fomentar o ecossistema. Estão vindo diversos competidores de soluções de segunda camada, como Optimisms, ZKs, e rollups. Os competidores estão com tokenomics frescos, e começam seus programa de incentivos agora. Enquanto que a Polygon já tem mais de 90% do fornecimento na mão dos detentores, e precisam se movimentar para tornar o token mais atrativo”, diz.

Populo destaca que, em termos de tokenomics, a única diferença significativa no novo modelo, é que o token passa a ser inflacionário. Agora, a inflação determinada para o token é de 2%, sendo 1% aos validadores, e 1% para a comunidade.

“Muita gente está focando nisso como a grande mudança. Mas, na minha visão, esse é o menor dos problemas. Para mim essa inflação não muda nada, principalmente se considerar a mecânica da migração de um token para o outro”, explica.

Desse modo, o especialista explica que, a forma que a migração vai acontecer é por um contrato inteligente. O usuário terá que ativamente trocar o token antigo pelo novo. Portanto, é possível que tokens se percam no meio do caminho devido a erro humano.

“Na média, isso é maior do que 10% na minha visão. Quando comparado esse atrito de tokens perdidos àqueles que serão criados, o cenário fica de um para um, por alguns anos. Então não vejo a inflação como um problema”, ressalta.

Pontos negativos

A tese da Polygon, de ser uma camada de valor para outras aplicações, atrai bastante o especialista. Para ele, a Polygon ser uma base de escalabilidade para a Ethereum é algo que gera bastante valor.

Além disso, a estratégia de funding da equipe também é algo positivo para ele. Os incentivos de projetos, e o tamanho atual do tesouro do time são pontos fortes para o ecossistema. Contudo, ele coloca como poderia melhorar.

“Para mim, seria ideal se conseguissem fazer com que, o acúmulo do pool da comunidade fosse atrelado a performance de alguma forma. No sentido de que, se a Polygon performar bem, a distribuição é maior, e vice-e-versa”, diz.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na melhor corretora de traders de criptomoedas. Acesse ByBit.com



Mt. Gox move mais de US$ 9 Bilhões em Bitcoin após 6 Anos Donald Trump vira bitcoiner e quer conceder perdão presidencial ao criador da Silk Road Trader compra US$ 1,1 milhão em memecoin, e agora tem US$ 150 Elon Musk cria US$ 30 bilhões do nada com IA do Twitter Trader faz US$ 6.500 virar US$ 5,6 milhões com criptomoedas meme do Trump após ele falar bem do mercado