Participe da
Comunidade Ícone Whatsapp
Blockchain

Bitcoin (BTC) vai valer mais de US$ 1 milhão até 2030, diz cofundador do Twitter

O cofundador do Twitter mencionou que acredita ser plausível o Bitcoin alcançar “pelo menos um milhão” até o final desta década.

O cofundador do Twitter, Jack Dorsey, afirmou que o Bitcoin (BTC) poderia valer mais de US$ 1 milhão até 2030. Dorsey, que também recentemente saiu da Bluesky, disse que veríamos um crescimento ainda mais expressivo para a criptomoeda no futuro.

Durante uma entrevista concedida ao jornalista Mike Solana no Pirate Wires, Dorsey apresentou uma visão bastante otimista sobre o futuro valor do Bitcoin (BTC). Além disso, ele também conta sobre sua saída repentina do conselho do BlueSky.

Faça parte da Comunidade BLOCKTRENDS PRO e lucre em cripto com relatórios semanais, análises diárias, sinais e lives exclusivas.

A plataforma foi seu empreendimento após sair do Twitter, agora X. O Bluesky tem como missão ser uma plataforma descentralizada, que Dorsey ajudou a desenvolver em 2019 como uma alternativa ao Twitter.

Na conversa, o cofundador do Twitter mencionou que acredita ser plausível o Bitcoin alcançar “pelo menos um milhão” até o final desta década.

Atualmente no comando da empresa de serviços financeiros Block, Dorsey destacou que o mais fascinante no Bitcoin não é seu preço. Mas sim a colaboração que o ecossistema fomenta, incentivando esforços conjuntos para aprimorar a rede.

“A melhor parte do Bitcoin, além de sua origem, é que todos que trabalham nele, são remunerados através dele, ou investem nele pessoalmente. Todos os esforços para melhorá-lo beneficiam todo o ecossistema, elevando seu valor.” “É um movimento e ecossistema empolgantes, acima de tudo,” acrescentou ele, indicando que isso o ensinou muito.

Dorsey fala sobre sair da Bluesky

As notícias sobre a saída de Dorsey do conselho da Bluesky ganharam destaque quando ele criticou a rede por estar “replicando todos os erros [do Twitter]”. Durante a entrevista, Dorsey conta como foi a abordagem de Elon Musk antes do homem mais rico do mundo sugerir a aquisição da rede social.

“Já fazia algum tempo que eu tentava colocar Elon no conselho. Ele obviamente adora o Twitter, e sempre adorei como ele o usava, porque ele o usava de uma forma muito pura. E ele seria extremamente expressivo nisso. Então, tentei colocá-lo no conselho duas vezes antes, mas o conselho acabou dizendo não nas duas vezes. Esse também foi um dos motivos pelos quais saí, na segunda vez que isso aconteceu”, diz.

Dorsey havia idealizado a Bluesky como um protocolo aberto que permitiria ao Twitter e outras redes sociais construir sobre ele, diferenciando a camada de protocolo da camada de aplicação para minimizar os riscos de censura. No entanto, ele observou que a empresa começou a adotar práticas mais típicas de corporações tradicionais, buscando ferramentas de moderação.

“Tudo o que desejávamos em termos de descentralização e de um protocolo aberto de repente virou uma empresa com investidores de risco e uma diretoria. Isso não era o que eu esperava nem o que pretendia criar.”

Depois de excluir sua conta no Bluesky, Dorsey mencionou que o protocolo Nostr, que é anônimo e aberto sem controle centralizado ou corporativo, alinha-se melhor com seus objetivos de resistência à censura.

Em uma comunicação aos investidores em 2 de maio, ele anunciou que sua empresa Block irá reinvestir 10% do lucro bruto de produtos relacionados ao Bitcoin em mais BTC todos os meses.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na melhor corretora de traders de criptomoedas. Acesse ByBit.com

Notícias relacionadas



Trader faz US$ 6.500 virar US$ 5,6 milhões com criptomoedas meme do Trump após ele falar bem do mercado “O único defensor do livre mercado no mundo é bizarramente da Argentina”, diz ex-gestor de George Soros Instituto mobiliza BTG e Starlink, de Musk, para garantir internet em meio a enchentes no RS Bybit começa a oferecer renda passiva em dólar descentralizado Baleia de Bitcoin acorda após 10 anos e move US$43,9 milhões que comprou por US$2 dólares