Tudo que você precisa saber sobre Axie Infinity, o “joguinho” em blockchain que já movimenta R$5,4 bilhões

Nas últimas décadas acompanhamos de perto a indústria de games se desenvolvendo a um nível inimaginável, o aperfeiçoamento dos jogos aliados ao desenvolvimento meteórico da indústria digital geraram uma mercado que movimenta bilhões de dólares anualmente.   

Esse mundo que antigamente se limitava ao entretenimento de curto prazo se tornou a fonte de sustento para milhares de indivíduos, das mais diversas maneiras. Jogos como League of Legends chegam a movimentar quase US $10 bilhões anualmente via produtos comercializados dentro da plataforma.

Nessa dinâmica tradicional da indústria de games só existem 2 maneiras efetivas de ganhar dinheiro jogando. Você pode se tornar um jogador profissional que compete em alto nível ou se dedicar a jogar extensivamente conquistando produtos exclusivos da plataforma, e ao fim comercializar esse endereço/produto. 

Ambos esses métodos requerem tempo e dedicação, tornando-se inviável para muitos. Mas já pensou em faturar alguns trocados jogando nos intervalos de expedientes e no seu tempo livre? 

Parece impossível, mas com os novos jogos da dinâmica play-to-earn isso não apenas se tornou possível como já virou realidade, e esse é exatamente o caso do Axie Infinity. 

O que exatamente é o Axie Infinity?

Axie Infinity possui uma temática estilo Pokémon foi criado pelo desenvolvedor vietnamita Sky Mavis, baseando-se na blockchain do Ethereum. O jogo gira em torno de criaturas peludas chamadas Axies, que os jogadores criam, adquirem e treinam, utilizando-as para completar desafios e batalhar online.

O objetivo do jogo é obter poções do amor, chamadas (SLPs), que são utilizadas para criar novos Axies que entram no jogo. Essas poções (SLPs) também são tokens que podem ser vendidos em qualquer plataforma de negociação cripto. 

A partir das poções, criam-se Axies que também podem ser negociados como NFTs, variando de preço de acordo com os atributos do personagem, tudo isso em Ethereum. Para começar a jogar os jogadores precisam comprar ou pedir emprestado três Axies, que possuem um custo relativamente alto (aproximadamente R$3.000 no total). 

Mas enfim, de onde vem esse dinheiro?

Essa dúvida com certeza foi o ponto principal que causou descrédito e desconfiança da maioria das pessoas céticas sobre criptoativos, mas na verdade a resposta é muito mais simples do que se parece. 

Assim como todo criptoativo, a Axie Infinity possui uma emissão determinada de seus respectivos tokens. A metodologia de emissão de novas moedas/tokens em diferentes projetos varia de acordo com a finalidade do tal, por exemplo, a única forma de se obter Bitcoins pré-emitidos é minerando-o, já outras criptomoedas de projetos DeFi emitem tokens como uma forma de recompensar endereços pela alocação de capital no projeto. 

Com o Axie Infinity essa dinâmica se baseia em obter novas SLPs (poções do amor) e AXS (tokens de governança), dessa forma, ao jogar o indivíduo é recompensado pelas suas conquistas com esses tokens. Ele pode anunciá-los no mercado, onde interessados em ingressar ou evoluir no jogo compram a partir da precificação do mercado, determinada pela oferta e demanda existente naquele ambiente. 

A dinâmica é a mesma de jogos tradicionais e populares como Fortnite, só que ocorre de uma maneira totalmente descentralizada que concede ao jogador liberdade de fazer o que quiser com os tokens. 


Para se manter atualizado, siga a QR Capital no Instagram e no Twitter.

Hugo Montan

Estudante e funcionário da QR Capital.

Comentar

Posts Recentes

Djokovic comprou 80% de empresa dinamarquesa que desenvolve tratamento para Covid-19

Em meio a deportação polêmica na Austrália por conta de ausência de vacinação, empresa revela…

10 horas atrás

Taleb apela para a falácia do engraxate e chama Bitcoin de “doença contagiosa”

Nassim Taleb segue aumentando as críticas ao Bitcoin e agora alega se tratar de uma…

14 horas atrás

Em um mês Nubank perde um terço do valor de mercado

Após protagonizar o 5º maior IPO de 2021, a Fintech brasileira viu suas ações se…

1 dia atrás

O número de bilionários aumentou, mas não é o fim do mundo como diz a Oxfam

Evento tradicional de começo de ano, a manchete gerada pela ONG inglesa Oxfam, segue desinformando…

1 dia atrás

R$20 bilhões aos 25 anos, a história dos brasileiros fundadores da BREX

Após mais uma rodada de capitalização, a BREX, fundada por dois brasileiros no Vale do…

1 dia atrás

Microsoft compra Actisivion, dona do Call of Duty e WOW, por $68,7 bilhões na sua maior aquisição da história

A empresa comandada por Satya Nadella alega que a aquisição terá um papel fundamental no…

2 dias atrás

Ao clicar em “Aceitar”, você concorda com o armazenamento de cookies no seu dispositivo para melhorar a navegação no site e ajudar em nossos esforços de marketing.

Política de Privacidade