Categorias: EconomiaInvestimentos

Sem isenção de impostos, Correios teriam prejuízo de R$15,1 bilhões na década

Ontem (30), o Projeto de Lei (PL) 591, que permite a privatização dos Correios, foi adiado para 2022 pelo Senado. Reportando um lucro de R$1,9 bilhão nos três primeiros trimestres de 2021, o projeto sofreu notável pressão pelo resultado positivo obtido até então neste ano.

Defendida por Guedes e pelo Ministério da Economia, a privatização dos Correios prevê um fim para uma longa discussão que permanece na política brasileira, o enxugamento das estatais não rentáveis. 

Assim como a Eletrobras, que já tem seu projeto de privatização relativamente desenvolvido, os Correios também tem seu desempenho questionado devido aos sucessivos prejuízos reportados na última década, especificamente após o início da crise de 2015. 

O mau desempenho, porém, vem sendo alvo de debate devido à significativa melhora nos balanços reportados desde o ano passado. Em 2020, a companhia reportou um lucro de R$1,53 bilhão e, até setembro deste ano, registrou um lucro de estimados R$1,9 bilhão

Os resultados tiram foco de um ponto crucial que é esquecido nessa discussão, a imunidade tributária da estatal. Os Correios não pagam impostos por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que prevê na constituição a chamada “imunidade tributária recíproca”, que proíbe a União, estados e municípios de cobrarem tributos uns dos outros. 

Dessa forma, a estatal não paga impostos como ISS, IPVA, IPTU e Imposto de renda, arcando apenas com algumas contribuições, como recursos destinados à aposentadoria. 

Segundo o Ministério da Economia, a empresa economiza em média R$1,6 bilhão anualmente com esse benefício, fato que acaba mascarando o desempenho da estatal, que é constantemente comparada com empresas de matriz privada. 

Para ilustrar o impacto da imunidade tributária no desempenho da estatal, formulamos um gráfico descontando a estimativa do Ministério da Economia nos balanço dos Correios nos últimos 10 anos: 

Caso a estatal competisse em pé de igualdade com as empresas privadas de frete, ela teria registrado um prejuízo de R$15,1 bilhões nos últimos 10 anos, e seu único lucro desde então seria referente ao ano de 2021. Desde 2011, mais de R$16 bilhões deixaram de entrar na conta do Governo Federal devido ao benefício, fato que discrimina o debate sobre a rentabilidade da empresa. 


VEJA TAMBÉM:

O CONSELHO DE BUFFETT QUE RENDEU UM PREJUÍZO DE $1 TRILHÃO PARA BILL GATES

VENEZUELA SE TORNARÁ O PAÍS MAIS POBRE DA AMÉRICA LATINA EM 2022 PREVÊ FMI

Hugo Montan

Estudante e funcionário da QR Capital.

Comentar

Posts Recentes

Carteiras com mais de 1000 BTCs voltaram a acumular, mostra análise on-chain

Grupo que inclui os maiores investidores de Bitcoin tem aumentado compras enquanto o preço segue…

4 horas atrás

Personagem de Billions sofre ataque cardíaco em teaser da nova temporada e derruba ações da Peloton

Teaser da sexta temporada da novelinha favorita do mercado financeiro mostra Wags sofrendo um ataque…

6 horas atrás

Moody’s rebaixa nota de El Salvador por investimento em Bitcoin

Agência de risco mundialmente famosa por ter avaliado títulos subprime como de baixo risco, Moody’s…

9 horas atrás

Capitalização das ‘NFTs de macacos’ cresceu 50% no último mês

Adquiridos por diversas celebridades, a capitalização da coleção Bored Ape Yacht Club (BAYC) em tokens…

3 dias atrás

Planta da Shell feita para capturar carbono está emitindo mais carbono do que capturando

Além de milhões de barris de petróleo, a refinaria Quest CCS de propriedade da Shell…

3 dias atrás

Elon Musk critica Twitter por perder tempo com NFTs enquanto ignora golpistas

Golpistas se utilizando da imagem de figuras públicas tem infestado a rede social, cujo foco…

3 dias atrás

Ao clicar em “Aceitar”, você concorda com o armazenamento de cookies no seu dispositivo para melhorar a navegação no site e ajudar em nossos esforços de marketing.

Política de Privacidade