Artigo

Moeda de Bitcoin

Fintech aposta em Bitcoin pra atrair público jovem para o sistema financeiro


Por Felippe Hermes
Novembro 26, 2020

[post-views]

Com taxas de juros que podem chegar a 320% ao ano e um mercado concentrado em poucos bancos, Fintech aposta no Bitcoin como forma de aumentar a participação dos jovens no sistema financeiro.

Foi em 1821, quando a família real portuguesa retornava para Portugal, que o primeiro banco brasileiro ia a falência. 

Todo o ouro que dava lastro a moeda no país havia sido levado junto dos portugueses, deixando seus reais donos, os poupadores, à míngua. O Banco do Brasil em si viria a falir dali a 8 anos, com o país vivendo uma impressão de moeda desenfreada e sem qualquer lastro neste meio tempo.

Tudo sobre blockchain, investimentos e economia.

Assine a nossa newsletter

BLOCKTRENDS

Assine Grátis nossa Newsletter e acompanhe as tendências sobre blockchain, investimentos e economia.

Duas décadas mais tarde, Irineu Evangelista, o Barão de Mauá, recriaria o Banco do Brasil, desta vez sob o controle privado. Menos de 2 anos depois, porém, o governo tomaria o controle.

A desculpa em questão era a de que os bancos estavam causando “tumulto”, nas palavras do primeiro-ministro brasileiro na época.

De golpe em golpe a coroa iria sedimentar aquilo que já se tornou uma tradição brasileira: a total ausência de confiança em um sistema bancário. 

Quase 2 séculos após o primeiro roubo, o Banco do Brasil ainda é um gigante na área. É parte dos 5 maiores bancos brasileiros, que juntos controlam 83,7% do crédito no país.

Este oligopólio, financiado por impostos e regulações, não é uma sentença porém.

Em especial nessa década, as Fintechs tem atacado por todos os lados o confortável modelo bancário brasileiro.

Seja com cartões de crédito ou contas sem tarifa, o mercado tem visto novos “players”, que ainda que não tenham os vultosos lucros dos bancões, já criam problemas. 

Neste mês de novembro porém, o mercado brasileiro tem um novo marco: a primeira Fintech a utilizar Bitcoins em suas operações.

Uma moeda cujo valor está justamente em fugir das decisões estatais que levaram à descrença no sistema financeiro nacional.

A Rispar, autorizada pelo Banco Central, utiliza garantias em cripto para promover menores taxas de juros no mercado.

Para aqueles que vêem uma valorização no ativo, a Fintech permite a você tomar crédito de maneira rápida e pouco burocrática (em até 48h), sem se desfazer dos seus Bitcoins, com juros de 0,99%.

Tudo sobre blockchain, investimentos e economia.

Assine a nossa newsletter

BLOCKTRENDS

Assine Grátis nossa Newsletter e acompanhe as tendências sobre blockchain, investimentos e economia.

Na prática, para cada 1 bitcoin (ou fração), você pode tomar entre 20-60% do valor em empréstimo para pagar em até 24 meses (durante a Black Friday é possível aproveitar as menores taxas de juros independente do percentual em garantias, para qualquer valor acima de R$1.500).

Os Bitcoins utilizados de garantia por sua vez são custodiados pela BitGo, a maior empresa do mundo em custódia de criptos.

Assim como a Rispar, existem inúmeras empresas que já operam neste modelo de garantias. As mais conhecidas porém, utilizam imóveis.

Trata-se de um problema que o ministério da economia corre para solucionar, afinal, se eu possuo um imóvel de R$500 mil e preciso de um empréstimo de R$2 mil, não faz sentido dar um em garantia de outro.

A proposta do ministério é que você possa utilizar o mesmo imóvel para fazer inúmeros empréstimos, até um limite entre o valor do imóvel e dos empréstimos.

Trata-se de uma engenharia financeira complexa, e longe do dia a dia e inúmeras famílias brasileiras.

Ainda que 66% dos brasileiros morem em casas próprias, essa não é uma realidade comum para os mais jovens.

Tudo sobre blockchain, investimentos e economia.

Assine a nossa newsletter

BLOCKTRENDS

Assine Grátis nossa Newsletter e acompanhe as tendências sobre blockchain, investimentos e economia.

Some-se a isso o fato de que a cultura do imóvel ou carro próprio já não atrai tanto a população mais jovem, e o resultado é que o tal crédito em garantias segue sendo algo pra poucos.

É justamente nas falhas deste neste setor que a Rispar se propõe a atuar.

Como comenta o CEO da empresa, Rafael Izidoro, “a maioria da população jovem tem se adaptado a uma rotina mais dinâmica, se empenhando menos em buscar uma casa para morar ao longo de 2-3 décadas, e investido em experiências, além de ativos tecnológicos, como o Bitcoin”.

Na prática, a empresa é uma plataforma de microcrédito, com valores entre R$500 e R$300 mil, que permite ao investidor de Bitcoin organizar seu fluxo financeiro para se manter comprado no ativo, mas sem deixar de curtir a sua valorização.

Se você ficou interessado, pode fazer uma simulação com Rispar clicando aqui.

*Para se manter atualizado, siga a QR Capital no Instagram e no Twitter.

cool good eh love2 cute confused notgood numb disgusting fail